CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.


quinta-feira, 28 de agosto de 2008

DUAS COMIDAS MAL FEITAS





DISPUTA -
Achavam-se felizes, mas quando davam pra agressão o pau quebrava mesmo. As ofensas choviam e não tinha mãe que saísse limpa na história.
Foi sempre assim, desde que se casaram.
_ Você não cozinha como a minha mãe.
E ela agüentava calada pra comida poder passar pela garganta.
Quando começavam a discutir, o assunto da comida estava sempre no meio. Durante uma das refeições, ele soltou a famosa :
_ Você não cozinha como a minha mãe!
_ Não por isso, querido! Peça a sua mãe que venha até a nossa casa que eu a ensinarei a cozinhar, isso se ela, ainda, tiver condições de aprender alguma coisa. Assim, passaremos a cozinhar do mesmo jeito e nas duas casas sentirá o mesmo sabor.
Irritado com a ironia, o marido armou-se com a faca de mesa e desferiu um golpe mortal no pescoço da mulher. O sangue jorrou sobre a salada de tomates, única mistura sobre a mesa, tornou-se brilhoso sobre o opaco da panela de arroz e enrubesceu o chão.
Ágil em sua ação, o homem misturou o feijão com o arroz e com essa massa tampou a cavidade do pescoço da mulher, tentando estancar-lhe o sangue, mas deixou-a morta no chão. Em poucos minutos os mosquitos começaram a chegar.
O homem correu para a casa da mãe. Cheio de êxtase, matou a velha com o seu amor. Como não viu sangue, correu, foi até a cozinha, apanhou um tomate e esfacelou-o na cara da morta. Ligou pro restaurante, pediu uma marmita, sentou-se no sofá, ligou a TV. Acendeu um cigarro e pôs-se a esperar seu almoço.

DESPONTE -
Todo homem tem um sabor, venha provar de mim pra descobrir qual é o seu gosto – disse o cozinheiro ao seu prato principal.
_ Mas a dor dos meus dissabores parece não ter fim – retrucou a comida.
O cozinheiro fez com que o seu prato principal olhasse ao seu redor, a fim de que se reconhecesse com os objetos ali contidos: fogões, refrigerador, panelas, pratos e talheres. A comida girou em torno de si mesma, ficou zonza e caiu.
Antes que ela acordasse o cozinheiro despiu-a, arrumou-a delicadamente em uma mesa central sobre a qual luzia uma linda toalha de linho. Lambeu-lhe delicadamente o pescoço e ao primeiro toque dos seus lábios aos lábios dela, sentiu-os ressecados.
_ Devo umedece-te amada minha, com os dotes de cujo pote você só faz crescer.
Assim o fez. Acordada a amada, a comida alimentada, esta, então, o possuiu. Com o seu dote, secou-lhe o pote. Afastou o seu rosto do peito dele e perguntou:
_ O que diz dos meus sabores? Mas ele, exausto, adormecia.
Levantou-se ela, fez uso dos objetos a sua volta. Preparou um suculento caldo.
“Ninguém, me tendo como prato principal, degusta-me sem dizer dos meus sabores” - ruminava.
A mulher pegou o caldo, ainda fumegante, e despejou sobre as intimidades do cozinheiro.
Os gritos do homem, sumindo no ar, fizeram arrepiar os pratos e talheres, mas não houve tempo de alcançar o refrigerador. Cozido que estava, cortou-o e o colocou na marmita. Alguém esperava o almoço.
Texto publicado no Jornal Folha da Região em 28/08/2008.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

PAI, EU TINHA TANTO PRA CONVERSAR.



Resposta do filho ao texto do pai publicado nesta coluna em 30/07/2008- “Eu tenho tanto pra lhe falar...”

_ Pai, eu tinha tanto pra conversar com o senhor, mas o senhor, pai, nunca me escutava. Eu não sabia direito como me expressar afinal, eu pouco ouvia as suas palavras. Quando o senhor vinha conversar comigo era sempre aos berros por isso, quase nunca eu o ouvia e me calava, o senhor me mandava, lembra-se?
Quando o senhor me colocava de castigo eu não achava ruim pai, porque eu sabia que o pensamento do senhor estava ligado a mim naquelas horas. Isso era bom. Eu derrubava leite, fazia birra. Era uma reação que me dominava e eu não sabia o porquê. Praticava e me entristecia ao mesmo tempo. Agora eu reconheço que errava, por isso, pai, perdoe-me, por favor.
Eu sei que está sofrendo com a minha partida. Eu sei das promessas que fez enquanto chorava sobre o meu corpo. Não faça mais nada por mim, pai. Faça pelo senhor e por sua esposa. Eu aceitei nascer para ser o seu filho porque tínhamos histórias para escrevermos juntos, vivendo-as, mas o ponto final veio antes do fim e o nosso caderno está aberto. Procure ajuda pai, para poder entender os porquês disso ou daquilo; respostas virão e deverá estar preparado para elas. Aquela hora chegou. Fechou o que deveria ser fechado e o senhor não disse aquilo que teve a oportunidade de dizer, simplesmente, porque não sentia amor por mim. Sei que ele está descortinando dentro do senhor e quando ele estiver bem claro não grite como prometeu “Um dia eu vou gritar : Meu filho eu te amo.”
Pai, não grite mais com ninguém e nem para mim. Eu o ouço através da sua dor e é ela quem me transmite quem o senhor realmente é, permitindo-me perdoá-lo pai, porque a minha alma ainda é de criança. Sei do poder de perdão do Nosso Criador e Ele lhe dará, se permitir, as letras corretas para terminar a história da sua caminhada cujo sinal o senhor atravessou. Ele estava fechado; o senhor, embriagado. Bêbado mesmo. Lembra-se, pai?
Pai, o senhor ultrapassou muitos sinais: o da tolerância, do amor, da fraternidade e do respeito com os outros e consigo mesmo.
Ainda não é a sua hora, a minha também não era. Na trajetória que o espera carregará, sozinho, o fardo que cabia a mim ajudá-lo a carregar. Só que o peso, agora, pai, será bem maior, mesmo que eu queira sair, o senhor não conseguirá me tirar de dentro dele. Esta história, pai, borracha nenhuma apagará.



Texto publicado no Jornal Folha da Região em 07/08/2008.