CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau.

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau.

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras.

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau.

domingo, 25 de novembro de 2012

VITAMINA AO MAR



VITAMINA AO MAR.


RITA LAVOYER



Amor!

Por que deixaste-me sem

nada dizer?

Amor!

A ti não pedi o amor,

apenas quis te amar.

Disseste-me: sim!

Acreditei...

poder ofertar-me a ti.

Amor!

Onde jogavas o que eu te dava,

transformando-te em ser tão fraco?

Fiz-me tua fonte de energia,

teu suporte.

Produzi no meu laboratório a melhor vitamina

para rejuvenescer-te, tornar-te belo.

Quando já te viste forte, criaste coragem

para jogar-me ao mar.

Amor!

Existe também o genérico,

por que optaste pelo similar?

Sem rótulo, clandestino, espionado e...

pagando tão caro para

dividir com outros a mesma cartela.

Quanto chorei quando riram de ti

esta infeliz divisão...

Mares e mares...

Sei que dele amargaste o fel

da contraindicação.

Não leste a bula do produto:

“maléfico à reputação”?

Amor!

Na minha cápsula há amor. Somente!

Jogaste-me ao mar, amor!

Jogaste-me ao mar!

Com as ondas arrebentei-me nas pedras.

Agora andas com os pés pregados na areia.

Vejo-te náufrago, concentrado em cismas,

colecionando conchas partidas,

tentando pregá-las

na tua seara povoadamente desértica.

Encontra-me!

Entre uma onda e outra,

encontra-me antes que me levem embora.

Embora as marés altas tentem me arrastar,

encontra-me,

ainda estou no mesmo lugar,

presa entre as pedras arrebentada.

O que produzo é por ti.

Posto que comprimido.

O que produzo é por ti!

Estou submersa, mas posso vir à tona.

Puxa-me! Puxa-me!

A ti ofereço-me vitamina novamente.

Elas estão transbordando na água que te lambe os pés.

Por favor!

Permita-me continuar te amando,

mas suplico-te:

toma do meu recipiente,

fortaleça-te novamente

para tomar-me à força nos teus braços

antes que minha pérola

vire âncora

neste ainda tão mar, amor!



Autoria- Rita Lavoyer

3 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

Fino trato com as palavras, Rita!
O verso final é digno de nota, pela sua construção.

Abraço,
Jorge

Célia Rangel disse...

Uma linda ostra que dilapida em sofrimento a pérola do amar o amor e o mar! Poema mágico, Rita!
Bjs. Célia.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Um texto para ler várias x ao dia! Um beijo, Rita.