CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

ANGÚSTIA/ TRANSMUTAÇÃO




Angústia

Rita Lavoyer

Ah, palavra, palavra!

A tua inexistência em mim

Faz da minha existência

Uma curva perdida

Que não encontra o começo

E nem o fim do ponto.

Ela se perde no meio

Porque, palavra,

Não encontro em você recursos

Que expressem a angústia do meu embotamento.

É você, palavra, é você

A culpada pelo meu silêncio.


às vítimas de bullying
(Rita Lavoyer)

---------------------------------------------------------------


Transmutação
Antenor Rosalino



No tempo que abranda os males,

Sonho um porvir de flores,

Distante de mãos esquálidas,

Despudoradas de amores,

Trazendo no coração liberto

Das dores do meu silêncio

E de insanos holocautos,

O perdão..., de peito aberto,

Para exemplar novos gestos.

 
Insurgindo como um bólide

Contra as ofensas insólitas,

Ver brotar nos corações

As minhas escolhas mais belas!


Os meus olhos lacrimejam

Nesta esperança incontida

De ver triunfar sobre afasias

As minhas palavras perdidas.

(Antenor Rosalino)




6 comentários:

Célia Rangel disse...

Um grande desafio - sempre - as palavras! Aos poetas, reverencio-me em suas "palavras". Ótima e inteligente parceria.
Abraços, Célia.

Anônimo disse...

Caríssima Rita, o seu denodado empenho ao antibullyng merece sobejante reconhecimento e honra-me, sobremaneira, a interação contigo nesta sua tão sensória criatividade poética, digna de exacerbados aplausos. Parabéns e um terno abraço.


Antenor Rosalino

HAMILTON BRITO... disse...

Meus cumprimentos aos duetistaa. Lindos textos

Luiz Alfredo disse...

Sentimos quando os versos
vem da vísceras
quando é pura alma
quando é poesia
ou locuções derramadas

mui belo

Luiz Alfredo - poeta

Jorge Sader Filho disse...

O medo não tem vez!
"Eu canto o ilustre peito lusitano A quem Netuno e Marte obedeceram." - Camões, "Os Lusíadas".
Abraço.
Jorge

ALAOR TRISTANTE JÚNIOR disse...

Querida Rita, já que o espaço está bem comunitário, também faço minhas observações às vítimas com o meu poema "Transmutação":

"Tudo passa e nada fica"
já dizia o filósofo Heráclito
um sorriso eternidade não significa
pois nada por inteiro se calcifica.

É um sonho destruído e morto
outro sonho arquitetado e vivo
ao contrário do que se diz absorto
nada que nasce torto morre torto.

O tempo passa e tudo se modifica
tudo o que hoje é firme como rocha
amanhã se derrete se apaga como tocha.

Nada é eterno neste mundo fantasia
onde vemos coisas que não existem
onde existem coisas que não vemos.

Alaor Tristante Júnior