CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

UM CONTO DE RÉIS - Martinez / LIBERTE O TEMPO- Lavoyer

sendo 30/01 o dia da Saudade, posto aqui um dueto cujo professor: José Geraldo Martinez me possibilitou aprendizado para esta construção.
Ao poeta: saudade
 
imagens da internet


UM CONTO DE RÉIS!

Autor- José Geraldo Martinez

Engraçado como era simples

a vida que antes vivia...

Um conto de réis o bastante

trazia muita alegria!

E nem precisava muito,

algumas bolinhas de gude...

Azuis, verdes, amarelinhas!

Um piso de chão, as birocas...

Engoliam a tarde inteirinha...


Quando não, um rolimã!

Lá vinha ladeira abaixo...

Os cabelos queimados no sol,

a exibir belos cachos!


Hoje tudo é tão caro...

E não se compra a revelia!

Imagina! Não é tão raro

pagar um absurdo na alegria...


Eletrônicos e componentes

são hoje o nosso quintal...

Crianças parecendo doentes,

a um mundo tão irreal!

Onde estão as vaquinhas

feitas de mangas?

As fazendas construídas

à sombra das cercas vivas

ou ao abrigo das varandas?


É tão triste...

A tela que hoje vejo!

Alegria comprada em caros papéis...


Notas de dólar ou euro,

moedas do estrangeiro...

E eu com meu conto de réis!


06-6-2012



"No rio da vida as águas do tempo curam tudo,

pois diluem no eterno as coisas passageiras."

(A.D)


------------------------- 

 LIBERTE O TEMPO
 
Rita Lavoyer

Poeta, assim também choro

Esta dor que traz no teu peito

Já quis o tempo parar

Mas aprendi: não tem jeito!


O tempo é senhor de si mesmo

Não adianta prendê-lo nas mãos

Já o quis prisioneiro no passado

Foi quando, com ele, perdi a união.


Na ocasião, julgando-me dele proprietária

A ele paguei com a minha fortuna

Cegou-me o brilho da prata

E me vi dona de coisa nenhuma.


Preso naquele invólucro

Composto por todos os meus dedos

Quando abri minhas mãos

Nelas li um grande segredo:


Não tente em mim pôr tuas rédeas,

Não crave em você tamanha maldade

Pois estão na passagem do tempo

As lembranças que deixam saudade.


Se eu não passar como devo

Não verá a tua evolução.

Ande de mãos dadas comigo,

Respeite-me que farei de você

a minha eterna comunhão.



Rita Lavoyer  (2012)








sábado, 25 de janeiro de 2014

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto . Tragédia de Santa Maria


 27 de janeiro é o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

No dia 27 de janeiro de 1945 - os campos de concentração nazistas Auschwitz e Birkenau, na Polônia,  foram liberados pelas tropas soviéticas. Mais de  1,5 milhão de pessoas, incluindo 1 milhão de judeus,  foram exterminadas nesses  campos.

Aqui o meu silêncio por tantos irmãos que foram exterminados, vítimas de preconceitos de todas as espécies, inspirados pelo ódio, perseguidas pelos nazistas e seus apoiadores: a maior desgraça da humanidade, a vergonha da raça humana, que assassinaram milhões de adultos e crianças nas câmaras de gás, entre outras formas igualmente cruéis para promover o plano de genucídio na Alemanha nazista.

No dia 27 de janeiro de 2013, na cidade de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, morreram 242 pessoas na Boate Kiss e 116 ficaram feridas. Segundo laudos os jovens morreram pela inalação e substância toxica: o cianeto. 

Aqui o meu silêncio pelas vítimas, seus familiares e seus amigos.

Coincidência ou não, a grande maioria dos jovens que morreram trazia sobrenomes de descendência alemã.

No dia 27 de janeiro de 1977 é reafirmado, pelo Vaticano, a proibição pela Igreja Católica de que mulheres se tornassem padres.

Pergunto: se durante o Holocausto, mulheres estivessem à frente da igreja católica, os alemães e seus apoiadores seguiriam protegidos, como foram pelos homens da igreja católica? Será que uma, pelo menos, Santa Maria à frente da igreja não lutaria, ainda que perdendo a vida, para salvar os seres humanos que à igreja competia proteger?

27 de janeiro é o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Não é data de comemoração, mas assunto para reflexão todos os tempos. 

O meu silêncio.

Não aplaudo (silêncio) Wolfgang Amadeus Mozart, que nasceu em 27 de janeiro de 1756. Mas o parabenizo com o meu silêncio.
Silêncio!

Rita Lavoyer

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

GRANDE ALMA




"Só se adquire perfeita saúde vivendo na obediência às leis da Natureza. A verdadeira felicidade é impossível sem a verdadeira saúde, e a verdadeira saúde é impossível sem rigoroso controle da gula... “ - Gandhi

Mahatma, em sânscrito, significa:  “grande alma”.  Uma grande alma: Gandhi.

Exatamente no dia 13 de janeiro de 1948 Mahatma Gandhi, para protestar contra as violências  cometidas por indianos e paquistaneses, deu início a um jejum que durou duas semanas. Foi um pacificador que acreditou que uma revolução pode ser feita sem armas.

Segundo pesquisas, seres humanos sadios conseguem viver até oito semanas sem comida. Na falta de alimento, o carboidrato é o primeiro a ser queimado no organismo, depois o organismo apela para as gorduras e, na falta, ataca as proteínas – aqui o caso já fica preocupante. Tendo água, sendo forte e com boa forma física, a chance de sobrevivência de quem entra num jejum rigoroso é grande. "Para mim, nada mais purificador e fortificante que um jejum."

Quando chega o final de ano muitas pessoas empanturram-se, tentando comer e beber tudo o que não foi possível no ano vigente inteiro.  E quando o Ano muda o número, aí pensam que no dia seguinte não haverá mais alimentos no mundo e querem comer e beber como recompensa pela fome da humanidade. Depois descobrem que o número do manequim também mudou, para maior! Há criatura que entra em parafuso, quer enfiar as mãos na boca e rasgar até pôr para fora o que vinha engolindo nos últimos dias que viveu para a comida. A gula explode de todos os lados e, para muitos, não há como controlar a situação.   Começam as guerras: com a consciência, com o espelho, com o guarda-roupa, com a balança, com a grana, com a humanidade toda,- como se ela fosse a culpada pela alimentação existente no mundo -, enfim... se joga numa trincheira, vai escavar buraco numa academia e, não contente com o sacrifício, quer que todos da rede social também sofram vendo aquele conflito visual pneumático explodindo na malha coladíssima.  Oh, guerra cruel! É agir ou morrer com peso na consciência. “... Todos os demais sentidos estarão automaticamente sujeitos a controle quando a gula estiver sob controle...”
 
 

 
Cruel mesmo é ter que comer a vida toda, fazer tratamento e não engordar nenhum grama. Engravidar e perder mais quilos do que tinha. Engravidar novamente e continuar com o mesmo peso de quando tinha 17 anos. Ter que comer dois lanches de manhã, macarrão com purê de batata no almoço, X-tudo com refrigerante à tarde, jantar tudo que sobrou durante o dia e tomar um milk-shake para dormir... Estou nessa! “... Aquele que domina os próprios sentidos conquistou o mundo inteiro e tornou-se parte harmoniosa da natureza."

Ao contrário de muitos de nós que temos como lema: comer ou morrer, em seu último e maior jejum, que iniciou em 13/01/1948,  época em que a Índia vivia dias difíceis, Gandhi  adotou o lema:  “Agir ou morrer”, se necessário, para instaurar a paz, jejuaria até a morte.   Dezessete dias após esta data, em 30 de janeiro de 1948, contrariando a sua doutrina da “não violência”, um jovem hindu que não assimilou os ensinamentos do líder, o assassinou com 3 tiros à queima-roupa, em Nova Deli.  

Da boca daquela Grande Alma, que não se alimentava, saiu, naquele momento, a expressão: “He Rama” (Ó Deus!). A humanidade perdera para a violência, há 66 anos, um dos maiores homens do século 20: Mahatma Gandhi.

O bem não está só no que entra pela boca de qualquer um; mas, muito, no que sai da boca de um grande homem.

"A força de um homem e de um povo está na não-violência. Experimentem.” Mahatma Gandhi. 

– Uma afirmação que instiga quem tem fome de Paz!

Autoria Rita Lavoyer






quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

JOSÉ MARCOS TAVEIRA – UMA CONFIGURAÇÃO PARA O BEM


 

 

Não me vem à memória nenhum encontro presencial com ele.  Eu o conheci como jornalista do Jornal Folha da Região, mas o nosso contato aconteceu através da Cia dos Blogueiros. Nunca lhe estendi a mão para um “cumprimento” ou para um “muito obrigada”. Sei que a pessoa dele dispensa apresentações nas redes sociais, pela desenvoltura que ele tem em cair e ficar, de vez, na rede, acho que por isso ele é aquarista, queria ser peixe também. Mas não para morrer pela boca, se bem que já salvou muitos navegadores, experientes e não, dos enroscos e anzois virtuais.

Peço licença aos leitores, para agradecer, ao meu modo, o jornalista, blogueiro, aquarista: José Marcos Taveira.

Jornalista com especialização em Comunicação Empresarial, trabalhando com internet desde 1997, foi professor universitário de Jornalismo On-line e Novas tecnologias e de curso de Técnicas de Radiojornalismo, é editor-executivo de internet na empresa Jornal Folha da Região.

A parte superior do monitor dele é brilhante, os seus pixels capilares são internos, emaranhados nos seus neurônios, só podem! Aos homens comuns, com essa característica, chamamos “careca” ; a dele: - “Layout de página”,  para cuja identificação não recebe, mas dá o selo de “Zemarquete” aos  admiradores do seu blog ”Blog do Zemarcos” - www.blogdozemarcos.com, atividade que mantém desde  2006, onde publica textos diversos, inclusive  dicas de tecnologia, esclarecendo  dúvidas sobre programas de computador.  

Esse “Zé” a que me refiro é a agulha magnética nas bússolas  dos navegadores de todos os níveis de rotas, perdidos nos cálculos de navegação da hipermídia, permitindo-os rumarem em direção ao seus browsers. É, pois, terra firme, aos que navegam... navegam... e ... quase morrem na praia, como eu, por exemplo.

Fui, várias vezes, socorrida por ele sem que me cobrasse absolutamente nada, entendendo que traz incorporado o dom de compartilhar o seu saber, tornando grande quem a ele recorre.  

Em 2008, o “Blog do Zé Marcos” ficou em 18º lugar no concurso “Top 30”, concorreu com mais de dois mil inscritos e, nesta empreitada, ganhou um selo, equivalente a um troféu na blogosfera.  O blog dele também foi indicado em mais uma  categoria: a “Legais do Público” e, durante uma semana, a UOL o manteve como destaque de capa.

Na sua jornada de compartilhamento, foi sócio-fundador da Cia dos Blogueiros,  fundada em 2009, projeto cujo propósito era o de unir blogueiros de todo o País e fora dele.

Somente para recordar, o que o José Marcos Taveira fez pelos membros da Cia dos blogueiros -  (resumo da postagem na Cia):

- cadastrou 622 blogs, publicou 612 textos de seus membros e produziu 14 ebooks enviados por integrantes;

- produzimos o concurso "Melhores blogs de 2012 ;

- criou a campanha "Sou blogueiro original";

- criou outra campanha: "Plágio é crime", criou selos que foram distribuídos em vários blogs;

- pela Cia dos Blogueiros, em 2010, recebeu o troféu cultura Odette Costa, na categoria 'Mídias livres';

- ajudou e incentivou, em 2011, a blogueira Andreia Pisco, que idealizou e coordenou as inscrições e seleções de poesias dos blogueiros inscritos na C, publicando, em seguida, o primeiro ebook com poesias dos blogueiros participantes e,

- comigo, em 2013, projetamos, mapeamos, fizemos perguntas e refizemos respostas e, por causa da ajuda dele, desabrochou outro sonho que ele não permitiu adormecesse:  "O maior poema", outra integração entre os membros da Cia, ajudando a incluir novos membros à Cia.

Através da Cia dos blogueiros eu fui me desenvolvendo como blogueira. Com a ajuda do José Marcos, abriu o meu segundo blog, já consegui abrir o meu terceiro e depois fui pro abraço, blogando! Mas, surgindo dificuldades relacionadas a computador é a ele mesmo que eu recorro.

Ele mantém ainda a página "Eu Amo Kinguios", no Facebook.

É imperioso sabermos que ele é filho da interação entre hardware e software e seu download, o único daquela memória uterina, aconteceu em 09 de junho de 1971, em Guarulhos- SP.

Não sei muito sobre disco rígido, porém esse tal de HD que a ele faz relação deve significar: Homem Dotado. E, dotado, José Marcos encontrou sua placa-mãe, sua amada-amante: Luci Neide, cujo CD original de drives do amor, trouxe-lhe os programas que fizeram as peças do equipamento dele se comunicarem com o sistema operacional dela. Pronto: possibilitaram outra interação entre hardware e software, com direito a entrada de USB numa conexão fortalecida pelo provedor Divino, projetaram e produziram o maior programa que o humano pode realizar: deram-lhe o nome de Michael.
 
 

José Marcos Taveira, em teu banco de dados está configurado que mobilizará, para ajuda dos leigos, os recursos virtuais vindouros, pois os criados até aqui, sei que faz questão de repartir sobre o que sabe com os internautas sequiosos por atualizações virtuais.

José Marcos Taveira é aquela pessoa que, mesmo a gente não tendo nenhum encontro presencial, de longe nos encanta. Bom menino!  Das linguagens que conhece, traz bom trato na elaboração de todas. A expressão educada em lidar com as pessoas faz estender suas virtudes dentro e fora do universo virtual.  No meu e-book de gratidão abri uma fanpage especialmente para agradecê-lo.

É certo que hakers tentem, pela tua profissão, afetá-lo; Zé, recarregue o teu  antivírus na fé  que Deus protegerá  todo o suporte do teu sistema operacional.

A divindade o programou para ser um gerenciador de tarefas, José Marcos. No teu mar de doações, siga confiante que tua navegação será segura. Mesmo quando estiver “off”, o teu anjo-da-guarda sempre estará “on”. Isso é recompensa pela tua automaticidade em programar soluções para aqueles que recorrem a você, pedindo ajuda. Abençoadas serão as tuas colaborações para o crescimento de um teu semelhante.
 

Que as graças do Senhor recaiam sobre o santuário da tua família, espalhando-se para o teu trabalho e por onde andarem: tua esposa, teu filho e você!

Obrigada por tudo, e que teus bytes multipliquem-se,  operando na mesma velocidade da  tua doação.

Rita de Cássia Zuim Lavoyer

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

MEDICAMENTO VENCIDO. VOCÊ SABE PARA QUE SERVE?

Amanhã, dia 03/01/2014, vou novamente atrás para  resolver este assunto. 
Enquanto isso, você que me lê, não jogue o seu medicamento vencido no lixo, na pia ou no vaso sanitário.
 
Voltei hoje, 16/12/2013, às 10h10, a ligar e conversar com o mesmo funcionário que me atendera no dia 11/12/2013.  Mostrou-se, realmente, muito interessado em encabeçar esta ação, resolvendo não só um conflito de alguns cidadãos que se reuniram em campanha aqui no Condomínio Residencial Edifício Ipanema, recolhendo os medicamentos vencidos. Mas em uma ação conjunta, como discutimos,  poderemos, sim, resolver, se não completamente, pelo menos uma parcela do mal que fazemos ao meio ambiente.
 
Uma campanha poderá surgir em Araçatuba. Não temos a intenção de consertarmos o mundo, mas se não fizermos a nossa parte estaremos destruindo não só o nosso, mas o mundo de todos.
 
Rita Lavoyer: 16/12/2013. Eu creio! Não estou neste mundo por acaso!
 Se ninguém se mobilizar, tudo segue como antes.
 



Assisti à uma palestra no Comitê da Cultura de Paz, cujo assunto era o meio ambiente. Entre tantos ensinamentos que  foram transmitidos, um despertou-me para uma falha que há muito eu cometia.

Até então não tinha, sequer, levantado a hipótese de que descartar remédios na pia ou jogá-los no lixo faria tanto mal ao meio ambiente. Fazer o quê?  sou lenta!

Aprendi que os medicamentos são compostos de elementos químicos, alguns pesadíssimos,  que se descartados incorretamente: despejados na pia ou jogados no lixo, o conteúdo não é dissolvido, simplesmente, porque é descartado.

Em contato com a natureza, essas químicas e conservantes, dependendo da sua potência, atingem o lençol freático de forma devastadora. Pensava: se faz bem para saúde, vai fazer um bem danado para o esgoto, despoluindo-o.  Estava completamente enganada. Esse medicamento descartado servirá, exclusivamente, para fazer mal, muito mal à saúde da Natureza.

Após apreendida a lição, tendo consciência do meu saber sobre o malefício que eu estava causando,   foi me dando  um mal estar tremendo, mas nada fazia para que esse problema, em mim, fosse sanado.  Como a carga no lombo estava pesando, tratei de equilibrar uma parte, repartindo-a com mais alguém que me pudesse ajudar, ajudando-se também.

Levei ao conhecimento da nossa síndica que, de imediato, topou recolher os medicamentos vencidos dos apartamentos. Elaboramos uma campanha  no prédio e agora, aqui no Condomínio Edifício Ipanema, os medicamentos vencidos, ou que sobram, são depositados em um recipiente apropriado para armazená-los com segurança,  sem prejuízo a ninguém. Pelo menos grande parte dos condôminos tem colaborado, lotando nosso reservatório. Foi matéria no caderno “Condomínios” do mês de dezembro do Jornal Folha da região.

E agora?  Vamos continuar fazendo a nossa parte. Levaremos aonde nossa coleta?

E vamos daqui, vamos de lá. Pá daqui! Pá de lá! Orientações super claras de quem nos atendeu, profissionais competentes que sabem o que fazem e por que fazem.

Puxa, estava respirando com mais tranquilidade: eu  me  despertava para um ato humanitário, estava me sentindo mais gente, até que me falaram em preço. Preço?  Preço! Matei ali mesmo o meu lado humanitário.

Para tudo a gente tem que pagar? Até para fazer bem à Natureza? E a campanha aqui no condomínio está andando há meses e o resultado nos satisfazendo! Vou ter que pagar para recolherem?

Quero registrar aqui que, em todos os lugares que eu fui buscar informações sobre o descarte desse material, todas as pessoas foram atenciosas, deram as mesmas informações responsáveis, porque sabem da gravidade de esse material atingir o lençol freático, todas as pessoas com as quais falei conhecem as legislações e todas sabem para onde enviarem esse tipo de material, porque há esse tipo de trabalho sendo feito nos postos de saúde. Mas, enfim... condomínios não se enquadram, por quê?  Houve uma série de explicações sobre isso também.

            Então... paga??

-  Mas vamos buscar o material, tem custo de deslocamento, tem fichas que precisam ser preenchidas, temos que relacionar os medicamentos, temos isso... temos aqui...

- Para! Para tudo isso a taxa que estão cobrando é pouca -  concluí no pensamento, mas não disse nada para não despertar o meu lado humanitário escondido, pondo a mão no bolso.

Acredito até que eu tenha feito alguma coisa errada, precipitando-me em alguns pontos. E deixei de entender outras coisas também.  Até acho que estou errando  publicando este texto, mas vou continuar errando. 
 Hoje, 11/12/2013 falei com outra pessoa, de um outro lugar que, por ética, não o mencionarei aqui, porque me disse que vai me responder até amanhã.

A pessoa foi tão clara e tão honesta  em tudo que ela me disse (como as anteriores também foram)   dentro da sua responsabilidade no posto que ocupa que até fez renascer o meu lado humanitário, explicando-me , inclusive, sobre os custos que existem para esse tipo de coleta, o que eu já sabia. 
 Eu confio que dessa pessoa poderá nascer uma campanha de conscientização em Araçatuba sobre o correto descarte de medicamentos e o seu destino final. Essa pessoa está no lugar certo. Já estou fazendo a minha oração para ela, que já é feliz, mas será ainda mais, porque conhecerão o tamanho da sua competência. Amei!

Vamos nos unir para uma campanha dessa natureza: Recolher o medicamento vencido para descartá-lo no local adequado, evitando assim, danos maiores ao meio ambiente.

Façamos a nossa parte, porque a Natureza não pode  engolir aquilo que não nos serve mais. 

Quanto a pagar, vamos ver o que vai acontecer.  Boa sorte à Natureza!

Rita Lavoyer