CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


sábado, 27 de dezembro de 2008

O MENINO DO NATAL



Não escrever este texto seria uma tremenda falta de criatividade. Dificilmente irá ler um texto meu em 1º pessoa, mas este exigiu a minha presença. Quão irônica é a arte de escrever. Escreve-se porque gosta, sabe ou porque precisa. Enviei um texto ao Jornal que não sabia se publicariam ou não: "Natal do menino".
Então, em casa, o menino pedia um cachorro. Agora, saber quem é mais humano nesta altura da vida é a grande questão. O pai do menino, o marido, que por acaso é meu, coração de manteiga, na véspera, apareceu com alguém em casa, por sinal, parecido a um cachorro. Acharam-me com cara de peru, mas eu resisti, não morri na véspera. Estou firme pra contar a história do menino e seu presente. Então o Natal chegou. Juntos, o pai, os filhos e o cachorro.
_ Vão limpaaar! Pedi educadamente. Os olhos do menino pareciam jabutibacas explodidas, perdidas nas bochechas empalidecidas de medo. A menina, olhuda, esbugalhou os seus azuis que me pediam: _ Ame-o mamãe.
_ Assustou o bichinho - disse-me o pai de todos. Pegaram-no debaixo da máquina de lavar enquanto o menino esparramava jornais no chão para acomodar aquele seu presente.
Tudo bem. Entre uma atividade e outra a calma reinava em meu ser, afinal era Natal e já havia passado algumas horas do meu barraco quando quis ler o Jornal do dia.
_ Cadê o Jornal de hoje? Os olhos esbugalharam de novo. Os movimentos que os três fizeram com o pescoço me responderam a pergunta. Tudo bem, eu estava calma. Além do mais, Jornal também pode ser manjedoura; cachorro, Menino Jesus. Tentei reunir as folhas, queria lê-lo; qual não foi a minha surpresa quando me vi em uma delas, no Soletrando. Não dava mais, ele mijou sobre mim e eu me rasguei com a força do gesto. Fez cocô em cima do Ponto Cego. É mole? Sobrou-nos rir. Ríamos enquanto o cachorro se mostrava hermeneuticamente engasgado. Dedo foi enfiado na boquinha dele. Outra surpresa. O que saiu? A cabeça do Tito. Logo a cabeça? Percebi que ele é um dos meus, tem o meu DNA, devora jornais.
Então era quinta-feira de Jornal e Natal todos os dias em casa, meus queridos e eu. Como renascemos a todo instante, viva o Sansão que nos reviveu num dia bem especial; o meu menino que, sabiamente, pediu o amor, e o pai que o deu.
Autora - Rita Lavoyer

Um comentário:

Cássia disse...

Oi, querida amiga, passo prá desejar... que 2009 seja um ano de amor, paz, saúde, conquistas; que sejamos mais gentis e solidários; que aos mais 365 dias só tenhamos motivos para agradecer, com a certeza de que os grandes milagres da vida são o amor, a amizade, a esperança e a generosidade que estão dentro de cada um nós...prá ti e todas as pessoas que você ama, em especial ao Hugo e tutuca...big beijos com carinho...*K*.*