CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.


terça-feira, 25 de abril de 2017

MICROCONTOS


Palavra do dia 16/04/2017: segredo

Vovó insistia em preparar, sozinha, as refeições à família quando se uniam. Não revelava os segredos dos deliciosos temperos, que todos adoravam.
Desconfiados, os netos espiaram-na na cozinha. Assustados com o que viram, juraram segredo sobre aquilo. Um os traiu. Todos se enojaram dele; menos vovó.

#microcontoescambau
#concorrendo

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia: escada

- Filho, pare de comer esses doces agora!
-Mas, mãe, por que comprou então?
- Vou colocá-los na parte mais alta do armário, longe do seu alcance.
- Mas, mãe...
- Solta esse pacote, vamos!
Ficou olhando.
- Viu? Nem com cadeira conseguirá pegá-los. Não tente escadas, entendeu?
- Sim, mãe. Quando poderei?

#microcontoescambau
#concorrendo

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 15/04/2017 – escada

Em silêncio, observava, do pé da escada encostada na parede da casa, a pombinha distraída no beiral do telhado. De repente, o gato surgiu e a pombinha parecia tonta. Em vão, tentou subir os degraus. Exausto, latiu. Previu o impulso do gato e, ali, o cão venceu os degraus e o pássaro ganhou o céu.

#microcontoescambau
#concorrendo

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 14/04/2017: cruz

Beijava a esposa, por quem se sacrificava, e saía para o trabalho. Por razões insabidas, chegou em casa na hora errada e surpreendeu-a com outro sobre ela. Bateu, amarrou, crucificou, fez o sinal da cruz e os queimou. Por sua falta de redenção, pegou pena máxima. Na cela, crucificaram-no também. 

#microcontoescambau
#concorrendo

Palavra do dia: cruz

Eva pegava no pé do Ivo. Eva era a cruz que Ivo não pediu para carregar. Era Eva ver o Ivo que ela o atazanava. Ivo passou a trazer uma cruz pendurada no pescoço. Quando Eva se aproximava, ele mostrava-lhe a cruz e gritava: Vade retro, satanás! Eva rolava de rir e dizia: Ivo, quer ver minha uva? 

#microcontoescambau
#concorrendo

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 13/: flauta

No Paraguai, comprava flautas para hipnotizar serpentes e ganhava sempre uma cobra de brinde. Um dia, ficou detido na alfândega. Como demorou a voltar para casa, as cobras se uniram. Na delegacia da mulher, denunciaram-no por não saber usar as flautas, sequer para coçá-las ou fazer-lhes cócegas. 
#microcontoescambau
#concorrendo

Palavra do dia: flauta

O menino não gostou da flauta que ganhou. Assoprava-a, mas não achava graça naquilo. Um dia, acertou a cabeça da mãe com o instrumento, dividindo-o em várias partes. Da cabeça da flauta fez um apito. Isso o alegrou.  Sem paciência, a mãe juntou as partes novamente e o silêncio voltou àquela casa.

#microcontoescambau
#concorrendo

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 12: cicatriz

Nasceu com um dedo a mais. Apelidaram-na de “polvinho”. Adulta, optou pela cirurgia, que lhe resultou grosseira cicatriz na mão. Envergonhada, a escondia.
Um dia, viu um “polvo” tocando viola na praça. Encantada, estendeu-lhe a mão, cumprimentou-o e saiu de mãos abanando.

----
Palavra do dia: cicatriz

Rosa dizia não trazer cicatrizes n’alma. Ajoelhada, agradecia a Deus pelas lições aprendidas. Só não juntava as mãos em orações porque não as tinha. Foram cortadas pelo capitão do mato quando, criança, molhou a barra da calça dele, enquanto lavava-lhe os pés.
Dizem que, hoje, ela faz milagres.

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 11/04/2017: Magia

A lagarta sonhava ser uma butterfly. Achava chique essa palavra. Esperou e suportou a magia da metamorfose para apresentar-se bela ao mundo.
Mas, vendo-se como uma borboleta apenas, não entendeu o encanto e, desapontada consigo mesma, quebrou suas asas. Sem demora, virou almoço de um camaleão.

#microcontoescambau
#concorrendo

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 10/04/2017: sangue

Já era um homenzinho especial. Os pais o ensinavam, alertando-o: “não tenha sangue de barata, meu amor. Se necessário, defenda-se.”
Viu o pai pisar uma barata sem entender aquela defesa desnecessária. Vendo-a estrebuchar, apiedou-se dela. Cortou seu dedinho e, sobre o inseto, pingou o seu sangue.

#microcontoescambau

#concorrendo

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


sexta-feira, 21 de abril de 2017

GOETHE, AS REVOLUÇÕES E A BALEIA AZUL

Goethe, as Revoluções e a Baleia Azul

Rita de Cássia Zuim Lavoyer

Johann Wolfgang von Goethe foi escritor alemão,  nos final do século XVIII e início do XIX,  nasceu em Frankfurt,  1749 e morreu em 1832.  Destaco suas obras que me interessam aqui: Fausto (poema trágico); Os Sofrimentos do Jovem Werther- (romance) e Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister, este um bildungsroman.

Período histórico: Século XVIII, das revoluções. Salve o Iluminismo. Mais máquinas, mais lucros e mais facilidades aos homens, que se tornaram mais cultos e bem informados. "o comércio dos pensamentos se tornou prodigioso. Não há nenhuma boa casa em Paris, nenhum castelo que não tenha a sua biblioteca" e, "O paraíso é aqui onde eu estou", dizia Voltaire , 1769.   Apesar de inovações trazidas pelo Iluminismo, não se pretendeu reinventar o mundo, mas regenerar a sociedade pelo afastamento da superstição e do fanatismo.

Fausto, de Goethe – Este Fausto é um preferido de Deus, mas no céu, o diabo aposta com ELE a compra da alma do rapaz. Fausto queria conhecer tudo quanto fosse possível e chegar ao conhecimento ilimitado. Fracassado, acha o suicídio uma boa ideia, mas desiste dele quando ouve uma apresentação da Páscoa na rua. Fausto é seguido por um cão que o segue até a casa e se revela o diabo. Ali, ambos selam um pacto com sangue: o diabo dará tudo que Fausto quiser na terra, mas acertam que levará a alma de Fausto para o inferno somente quando o diabo proporcionar-lhe um momento pleno de felicidade. Fausto conseguiu ter e engravidar Margarida. Atormentada pela morte da mãe, causada por Fausto, ela carrega a culpa, pare e mata o filho afogado. Foi condenada à morte e recebe o perdão ao clamar por Deus quando vê o diabo. No final do poema, Fausto foi para o paraíso por ter vendido apenas metade da alma ao diabo.  

Os sofrimentos do Jovem Werther - Neste romane, o jovem troca cartas com o narrador. Werther, apaixonado, vive por Charlotte, cujo amor correspondido não pode ser concretizado, pois a moça está prometida a outro homem. Werther se mata. O Impacto que o romance causou na Europa levou vários adolescentes ao suicídio, e a obra foi retirada do mercado.

Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister. Depois de 10 anos sem publicar, após a tragédia com Werther, Goethe lança esta obra, um bildungsroman (romance de formação), em que todo o processo de formação: moral, física, intelectual é desenvolvido para o amadurecimento pessoal e social do protagonista sobre quem o autor deixa transparecer a importância da arte em geral na formação do jovem, aqui, especificamente, o teatro como formador e seus efeitos sobre o personagem, que saiu do conforto familiar burguês para experimentar os mundos de cada sociedade, transformando-se.  

Baleia Azul - 2017, é um jogo esquematizado para atrair jovens, cujas mentes iluminadas não são processadas e, perdidos dentro o sistema hedonista a que estão submetidos, não se encaixam nos quartos bagunçados onde se escondem para, diuturnamente, se conectarem com seus igualmente inúteis, que tudo pedem e tudo ganham, pois não há nenhuma boa casa no mundo onde não há internet e celular e o paraíso que almejam torna-se o verdadeiro inferno – o mesmo que levou Fausto a vender sua alma ao diabo. Da mesma forma, nossos adolescentes, conhecedores de tudo quanto é possível, não conhecem a si mesmos, mas precisam provar que são capazes de se submeterem às torturas, as mais perversas, para, enlouquecidos, chegarem ao final da jogada, castigando-se por se sentirem culpados por terem família, conforto, saúde, amigos e tudo mais que eles quiserem, porque tudo ainda não lhes basta.

Esse jogo da baleia azul remeteu-me aos personagens de Goethe e o que fez com William Meister para mostrar o quanto o conforto e o isolamento são prejudiciais ao desenvolvimento do jovem, e o quanto o teatro e outras artes são necessários para o resgate do ser humano lá, naquele passado, que nos traz ao tempo em que estamos hoje: um mundo mais confortável por causa das revoluções e tão desumano por causa delas também.

Morrer por amor, como Werther, foi, literariamente, emocionante. Pactuar com o diabo, conseguir a Margarida, como fez Fausto, foi, poeticamente, belo.
Romper com o comodismo para resgatar a identidade, como fez Meister, é necessário aos nossos jovens - TÃO PREFERIDOS DE DEUS, mas tão distantes DELE.   

Essa baleia azul não apostou as vidas de jovens com ninguém, pois estava certa de que as ganharia.  Ela pescou certinho o problema deles, porque sabe que o paraíso desses adolescentes não os regenera e não está aqui, mas... na boca dela.  

Vamos levar o teatro, a literatura e outras artes às escolas que, apoiadas por pais terroristas que presenteiam demais, estão entupindo nossos jovens de conteúdos desnecessários para o vestibular, que não regenera essa clientela social, mas a faz fanática por uma vaga universitária que, em muitos casos, não muda o mundo do indivíduo, cujo conhecimento limitado não lhes promove revolução íntima, quanto mais o social dele.

Qual revolução para afastar nossos jovens desses fanatismos em que pactuam com forças inferiores as deles?  


Temos que acreditar e ajudarmos os jovens a acreditarem, segundo Voltaire, que o paraíso é aqui onde estamos, e que aqui podemos encontrar momentos plenos de felicidade, amando, namorando, chorar por amor desfeito, formar família ainda,  sem pactuarmos com nenhuma espécie de diabo. 

Rita Lavoyer


segunda-feira, 17 de abril de 2017

MICROCONTOS

Microcontos com os quais participo no Escambanauta diariamente

Palavra do dia 16/04/2017: segredo

Vovó insistia em preparar, sozinha, as refeições à família quando se uniam. Não revelava os segredos dos deliciosos temperos, que todos adoravam.
Desconfiados, os netos espiaram-na na cozinha. Assustados com o que viram, juraram segredo sobre aquilo. Um os traiu. Todos se enojaram dele; menos vovó.

#microcontoescambau
#concorrendo

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 15/04/2017: escada

- Filho, pare de comer esses doces agora!
-Mas, mãe, por que comprou então?
- Vou colocá-los na parte mais alta do armário, longe do seu alcance.
- Mas, mãe...
- Solta esse pacote, vamos!
Ficou olhando.
- Viu? Nem com cadeira conseguirá pegá-los. Não tente escadas, entendeu?
- Sim, mãe. Quando poderei?

#microcontoescambau
#concorrendo

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 15/04/2017 – escada

Em silêncio, observava, do pé da escada encostada na parede da casa, a pombinha distraída no beiral do telhado. De repente, o gato surgiu e a pombinha parecia tonta. Em vão, tentou subir os degraus. Exausto, latiu. Previu o impulso do gato e, ali, o cão venceu os degraus e o pássaro ganhou o céu.

#microcontoescambau
#concorrendo

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 14/04/2017: cruz

Beijava a esposa, por quem se sacrificava, e saía para o trabalho. Por razões insabidas, chegou em casa na hora errada e surpreendeu-a com outro sobre ela. Bateu, amarrou, crucificou, fez o sinal da cruz e os queimou. Por sua falta de redenção, pegou pena máxima. Na cela, crucificaram-no também. 
#microcontoescambau
#concorrendo

Palavra do dia: cruz

Eva pegava no pé do Ivo. Eva era a cruz que Ivo não pediu para carregar. Era Eva ver o Ivo que ela o atazanava. Ivo passou a trazer uma cruz pendurada no pescoço. Quando Eva se aproximava, ele mostrava-lhe a cruz e gritava: Vade retro, satanás! Eva rolava de rir e dizia: Ivo, quer ver minha uva?
 
#microcontoescambau
#concorrendo

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 13/04/2017: flauta

No Paraguai, comprava flautas para hipnotizar serpentes e ganhava sempre uma cobra de brinde. Um dia, ficou detido na alfândega. Como demorou a voltar para casa, as cobras se uniram. Na delegacia da mulher, denunciaram-no por não saber usar as flautas, sequer para coçá-las ou fazer-lhes cócegas.
 
#microcontoescambau
#concorrendo


Palavra do dia: flauta

O menino não gostou da flauta que ganhou. Assoprava-a, mas não achava graça naquilo. Um dia, acertou a cabeça da mãe com o instrumento, dividindo-o em várias partes. Da cabeça da flauta fez um apito. Isso o alegrou.  Sem paciência, a mãe juntou as partes novamente e o silêncio voltou àquela casa.

#microcontoescambau
#concorrendo

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 12/04/2017: cicatriz

Nasceu com um dedo a mais. Apelidaram-na de “polvinho”. Adulta, optou pela cirurgia, que lhe resultou grosseira cicatriz na mão. Envergonhada, a escondia.
Um dia, viu um “polvo” tocando viola na praça. Encantada, estendeu-lhe a mão, cumprimentou-o e saiu de mãos abanando.

#microcontoescambau
#concorrendo
----

Cicatriz

Rosa dizia não trazer cicatrizes n’alma. Ajoelhada, agradecia a Deus pelas lições aprendidas. Só não juntava as mãos em orações porque não as tinha. Foram cortadas pelo capitão do mato quando, criança, molhou a barra da calça dele, enquanto lavava-lhe os pés.
Dizem que, hoje, ela faz milagres.

#microcontoescambau
#concorrendo

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 11/04/2017: Magia

A lagarta sonhava ser uma butterfly. Achava chique essa palavra. Esperou e suportou a magia da metamorfose para apresentar-se bela ao mundo.
Mas, vendo-se como uma borboleta apenas, não entendeu o encanto e, desapontada consigo mesma, quebrou suas asas. Sem demora, virou almoço de um camaleão.

#microcontoescambau
#concorrendo

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Palavra do dia 10/04/2017: sangue

Já era um homenzinho especial. Os pais o ensinavam, alertando-o: “não tenha sangue de barata, meu amor. Se necessário, defenda-se.”
Viu o pai pisar uma barata sem entender aquela defesa desnecessária. Vendo-a estrebuchar, apiedou-se dela. Cortou seu dedinho e, sobre o inseto, pingou o seu sangue.

#microcontoescambau

#concorrendo

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

terça-feira, 11 de abril de 2017

UMA MÁQUINA PARA A POESIA

Uma máquina para a Poesia
Rita de Cássia Zuim Lavoyer
Máquina, afirmam que Poesia é a “antítese de lugar comum”. Estou aqui a maquinar mil coisas e ver se um verso, pelo menos, vingue. Tenho pros dedos teclado com muitas funções, pra preencher a tela do meu ringue. Busco um lugar especial, onde eu possa abrigar meus escritos,   meu fardo. Mas, no amontoado sem ordens, não acho nenhum!  Do mundo das letras já beijei a lona e aprendi que o Universo já é lugar comum.

Como achar tinta e enxugar meus prantos (por enquanto, falta-me expressão distinta), s’eles  despertam sinceros, transparentes?  Como é difícil usar palavras apenas, se imagens múltiplas brotam em minha mente. Farto-me de letras desbotadas; porque as nobres - ainda não as tenho -, que se sobressaiam nesta saia justa, e que se distingam neste meu engenho.

Tenho vontade de ser uma máquina, porque poeta é ter passado, sentimentos, é gente que não traz em si o dom do esquecimento. Tenho vontade de ser toda em lata, produzir poesia sem cheiro de mofo, porque de carne, pele e pelo sofro.  Tenho vontade de ter um motor com ritmo bem particular. Que o neologismo lhe encha o sistema, pra que o motor me possa pulsar.

Tenho vontade de ter ombros fortes, pra poetar o mundo e não senti-lo. Que minh’estrutura não se vergue às críticas e minha máquina nunca perca o estilo. Tenho vontade de ser bem moderna, iluminista, impedir que meu  lírico se expresse mais. Ser programada para acertar a métrica e ser vanguarda pra outras mais originais.

Quero ser máquina porque ela é o perfil do homem, e o homem é uma ilusão real. O ritmo, os versos, as estrofes serão untados com o óleo amniótico que lhes for peculiar.  Quero nas veias graxa, lubrificante e meus parafusos os quero signos para semiótica.

Quero ser máquina com voz e tweeter, porque silêncio é lugar comum,   e nunca mais me ouvir dizer que, com as letras, viverei melhor.  Quero que meu automático não perca a cadência.  Quero isso, porque ser máquina é obediência.  Quem sabe a máquina seja a nova ferramenta para engrenar novo estilo às poesias? Porque máquina é feita para acertar e, nesta arte, geralmente eu erro. Quero ser maquina com estro bem vasto, porque, comigo, eu já não me basto.
  
Quero ser máquina, ser um avatar. Desfuncionar clichês e desmontar expressões surradas. Ter GPS para à Poesia mostra-lhe o destino, onde ela possa parir o que  traz de mais divino. Quem sabe um dia minha poesia vingue, pegue seu rumo, saia de mim e encontre um mundo com emoções inteligentes... E que seu fruto seja abençoado e povoe um infinito ainda não inventado.

Não posso prender o que me foi dado livremente. Seria, meu e dela, o fim. E se ela se for, e este meu fado, um dia, for falado, que ela o ouça e queira retornar. Vai m’encontrar com ombros tão cansados, suportando o fardo dos meus sonhos sonhados.

Se quando máquina eu for obsoleta, que a evolução da língua me faça humana. Com um metal risque, sobre minha ferrugem, uma Lua nova: inspiração pr’um coração que ama.

Se acaso isso acontecer um dia, que minha poesia, então, me enterre em si. Encontre a máquina que um dia eu fui e descanse sua beleza sobre tudo qu’eu  consegui sentir.

 Mas... Se a poesia não me quiser mais, do meu ringue desligarei a tela para qu’ela possa descansar em paz.  E se quiser, de fato, encontrar um lugar especial onde louvem sua originalidade, terá que, comigo, voltar a fazer par. Aí, sofrerá, de novo, na minha lavra.
Para ela criarei a liberdade: lugar excêntrico por natureza. Lá irei  colocá-la. Nesta feita, as antíteses lhe farão sala. Por ela colherei o milagre poético: plantar matéria e espírito com uma só palavra.

Porém... Se nem eu, nem a máquina, atingirmos esta meta, registro-me aqui: deixe minha prosa aberta e, sobre mim, um alerta: aqui jaz este alguém comum que, desobediente, não desistiu de ser poeta.  


domingo, 9 de abril de 2017

MICROCONTOS


Microcontos com os quais participo no grupo Escambanautas

Palavra do dia 09/04/2017: Palavras

Há anos, o jovem exercitava suas palavras, dominando-as. Tinha propósitos, inclusive, não ser escravo delas.
Com o tempo, libertou as dominadas em suas expressões. Errava e corrigia-se.
Tornou-se grande homem, orador eloquente cujas palavras remediavam, levando o seu público do delírio ao cabresto.

Palavra do dia: Palavras

“Engasgar-se com palavras não ditas é clichê, expressão barata, a pior.” - Falava aos seus alunos aquele professor de língua pátria.
“Caro, engula suas palavras. Pagamos muito caro por seus baratos estereótipos: os piores.” 
 Assinou o bilhete: “Seu pior aluno” – e o entregou, em mãos, ao professor.

#microcontoescambau   #concorrendo
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Palavra do dia 08/04/2017: calote

Renomado por suas pesquisas sobre perda de memória, o neurocientista quis apresentar sua descoberta, simples e eficaz, contra o esquecimento, cobrando muito pelo evento.
No seu discurso, a plateia certificou-se de que levara o maior calote,
pois o cientista não se lembrava por que estava ali. 

#microcontoescambau   #concorrendo       
-------------------------------------------------------------------------------------------------------


Palavra do dia 07/04/2017: ovo

O casal vivia uma paixão ardente.
– Amor, com você viverei até debaixo da ponte – delirou a moça.
– À você, amor, darei tudo que tenho – ele suspirou.
Unidos, até que o amor chegasse, dividiam um ovo, único alimento do dia.
Não muito depois, debaixo de uma ponte, por fome, ela comeu os ovos dele. 

Palavra do dia: ovo

O garoto dormia com o ovo de dinossauro ao seu lado. Queria um bicho desse. Levava-o na escola. Divertia-se com os colegas, brincando com o ovo. Um menino o tomou de sua mão, jogou-o no chão e o pisoteou. Foi jurássico – disseram.  Por causa de um dinossauro, não jogaram pingue pongue no recreio. 

#microcontoescambau    #concorrendo
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Palavra do dia 06/04/2017: soldado

Nas brigas entre os pais, o filho era o único soldado alistado para protegê-los. Nas batalhas mostrava-se guerreiro, saindo arrasado entre os heróis do conflito. Veio o dia que precisou alistar-se e foi. Lá, impotente, ouviu o policial relatar-lhe a tragédia. Perguntou-se: para onde voltar agora? 

Palavra do dia: soldado

Tábua, cebola, faca, panela, óleo, fogo, amor, arroz, feijão.
Mesa, pratos, talheres, carinho, diálogo, sustentação.
Filho, fé, estudo, soldado, coragem, segurança, ideal, ilusão.
Política, disputa, bandidos, guerra, país, corrupção.
Mãe, oração, enterro, vazio, saudade, fome, solidão.

#microcontoescambau    #concorrendo

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Palavra do dia 05/04/2017: remédio

Os cuidadores conhecem a doença da Divina, mas lhe dão os alopáticos que a família indica, quase sempre ineficientes para suas crises. Quando o quadro dela piora, a dose de um  remédio tem que ser cavalar: entregavam-lhe o álbum de fotos. Ela revê filhos e netos e a dor da doença diminui um pouco. 

Palavra do dia: remédio

Vanjo era muito piolhento. Nenhum veneno era eficaz para limpá-lo e a escola o suspendeu. Sob uma árvore, Vanjo sorriu. Vieram pássaros e pousaram em sua cabeça. Ali faziam o banquete, enquanto Vanjo se debatia.
Em vão, sentindo-se limpo, chorou: -que remédio! Agora terei que voltar para escola.

#microcontoescambau    # concorrendo




Palavra do dia 04/04/2017: mulher

Eva gosta de Lya que gosta de manga. Lya gosta de Bia que gosta de maçã. Bia gosta de Ana que gosta de pêra. Ana gosta do Zé que gosta só de banana.
- E cadê a mulher na história?
- Caramba!  Sei, não!  Acho que vi uma atrás da casa, plantando bananeira. Acho, porque não deu pra ver o nome dela. 

Palavra do dia: mulher

Mulher ordinária, na trincheira botava soldados de joelhos.
Quando ordenava: - Ordinários, marchem! - era tarde.
Aos pés dela, eles, irreversíveis, rastejavam suas submissões.
Entre eles, propôs uma disputa, ela seria o troféu.
Depois disso, o que de melhor eles tinham, jamais se levantou para ela.

Palavra do dia 04/04/2017: mulher

Por intuição, coronel jurava que a esposa gerava-lhe um filho macho. No hospital, entre tantas parturientes, sua esposa pariu uma menina-mulher.
Por muito dinheiro, coronel trocou o enredo e levou o seu machinho para casa.
Velho, ouvia do povo que seu único filho era o melhor travesti da cidade. 

#microcontoescambau    # concorrendo

Palavra do dia: mulher

A mulher criou os filhos, o marido e um gato que pulava a janela. Vendo-os feito, entregou aos filhos e ao marido uma cópia da chave da porta da casa. Ela quis  e voltou a estudar. 
O marido engordou, uns filhos se perderam e o gato serve-lhe vinho depois que ela pula a janela da escola.

#microcontoescambau      #concorrendo
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Palavra do dia 03/04/2017: veleiro

Em uma bacia com água, o menino explora o mundo em seu barco de papel, enquanto é dia. À noite, ele muda de embarcação. Acende uma vela e entra num veleiro atracado no cais da sua cama.  Ali, descansa sua imaginação assistindo a lua e as estrelas refletirem-se na lagoa, dentro do seu quarto. 

#microcontoescambau     #concorrendo

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Palavra do dia 02/04/2017: beijo

O avô depositou um beijo molhado na testa do netinho e se foi. Hoje, aquele neto, conheceu seu netinho. Feliz, deu-lhe um beijo molhado na testa. 
A mãe da criança limpou-a imediatamente. Ele lembrou-se do avô.  Sentiu seus olhos serem enxugados e sua testa molhada novamente.

#microcontoescambau     #concorrendo