CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

sábado, 16 de outubro de 2010

ABORTO E CASAMENTO HOMOSSEXUAL

Imagem da internet





Engraçado que esses temas não deveriam ser o foco nos discursos das disputas eleitoras vigentes. Mas sem projeto não dá! Projeto que o povo não entende não dá voto. Precisa espetar as mazelas de cada escala sociocultural para poder ver manivela fazendo circular cérebros. Cada um usa a manivela que possui e a administra da forma que lhe compete. O discurso do “Sou contra isso, mas sou a favor daquilo” ou “ Sou a favor disso, mas sou contra aquilo” anda enchendo o meu saco e perturbando a minha paciência.

Pasmem!

Se eu sou contra a prática do aborto, compete a mim, por acaso, julgar quem o praticou sem conhecer a realidade da mulher que se sujeitou a tamanha atrocidade, arriscando a própria vida, sem conhecer, dela, a história, e a sua trajetória de vida?

Se eu prefiro o homem à mulher, quem tem opinião contrária, tem alguma coisa a ver com o meu gosto sexual ou vice-versa?

Eu sou contra o aborto e não nego, como também não nego conhecer a felicidade de estar ao lado da pessoa que amo. Se eu sou contra o aborto e a favor da vida, por que ser contra o amor e a união de duas pessoas do mesmo sexo que se amam? Respeitar a natureza de cada um, inclusive a própria, não é exaltar a vida?

Candidatos não deveriam discutir isso em suas disputas eleitorais, mesmo porque governante algum conseguirá impor a uma Nação as suas convicções, seus ideais, sua conduta ( conduta?). A não ser que este seja tirano. Além do mais, ninguém irá corrigir (corrigir? quem está errando?) o que acontece desde a criação do mundo.

Sobre política uma coisa é certa: Quem não investir em educação não estará matando apenas os que estão no ventre e querem nascer, embora sem sabermos as qualidades que as crianças terão numa educação futura, mas estará abortando os sonhos do Criador.

Aborto não é matar somente aquele que ainda está sendo gerado, mas é decepar a infância e a juventude, obrigando-as a se enganarem dentro de escolas estéreis que não têm competência de gerar cidadãos, porque a educação foi, há muito, abortada dos projetos de políticos sem compromissos com o agora, tão pouco, com o futuro. "Mas vamos resolver se formos eleitos"

Aborto não é somente impedir que um ser venha ao mundo, mas deixá-lo vir sem que tenha a mínima condição de segurança para sair de dentro de uma cápsula chamada casa e conseguir voltar para ela vivo. "Mas vamos resolver se formos eleitos"

Aborto não é somente interromper uma gravidez por vontade própria, mas também obrigar cidadãos a se submeterem às vontades de um sistema político corrupto, porque este aborta daqueles condições de aprendizado para desenvolverem opiniões e reivindicarem seus direitos com segurança. "Mas vamos resolver se formos eleitos"

Aborto não é pior do que crianças sendo violentadas dentro de casa ou se prostituindo nas ruas para sobreviverem, vindo gerar outras crianças para o sistema evolutivo da espécie. "Mas vamos resolver se formos eleitos"

Aborto não é pior que deixar nossas crianças se drogarem em cada esquina, porque nas campanhas eleitoreiras anteriores todos se preocuparam com isso, com aquilo e tudo mais, mas até agora não fizeram nada para que essa “parada legal” fosse legalmente resolvida, mesmo porque quem está no comando, e mais bem armado, é o traficante e não o policial que morre no exercício da sua função, e deixa nos peitos da mulher o filho que nunca mais o verá retornando para casa. "Mas vamos resolver se formos eleitos"

Aborto não é pior que enganar uma população com vales mensais para que ela volte a ser cidadã, diferenciando-a dos calangos, quando, na verdade, está sendo apenas um objeto fácil de ser manipulado. "Mas vamos resolver se formos eleitos"

Aborto não é pior que uma prisão estupidamente lotada, porque a grande maioria dos que estão ali, é vítima de um sistema que necessita de bandidos para se manter no poder e que a usa e a avilta em palanques para conquistar os nossos votos, cidadãos que carecemos de proteção. "Mas vamos resolver se formos eleitos"

Aborto não é pior do que morar em favelas onde as mínimas condições para se viver com dignidade não imperam, mas onde as balas perdidas fazem vítimas inocentes a todo instante, fazendo rolar morro abaixo sonhos e esperanças acreditados nas urnas. "Mas vamos resolver se formos eleitos"
Aborto não é pior do que ver velhos, homens, mulheres e crianças morrendo nas filas dos hospitais e postos de saúde que não funcionam ou estão lotados. "Mas vamos resolver se formos eleitos."

Aborto não é pior do que ver um povo tendo os seus ideais estuprados todos os dias pelos candidatos a quem confiamos os nossos votos, e ainda nos fazem sofrer pela ingestão de seus gozos sarcásticos exercidos às nossas custas e costas. Mas, se deixarmos, vão continuar nos f. ,os eleitos.

Isso não é uma prova de casamento mal feito entre parte de uma Nação com crápulas em quatro, oito anos ou décadas que não nos cabe nem o divórcio?

União entre homossexuais então, não pode? Demagogia sim!?

União feliz e digna onde o que impera é a luta para conseguirem viver juntos um amor limpo e leal, não pode? União de conveniência para enganar eleitor e a sociedade pode!?

Há políticos que, sem escrúpulos, tentam nos engravidar todos os dias com suas mentiras e querem que as geremos. Abortemos as enganações de quem estamos prenhe, para expurgarmos da política futuros fdp.
A Nação agradece e o nosso Criador também, porque sem EDUCAÇÃO, e do jeito que estão as escolas públicas estaduais, não dá para continuar. E os ideais... óóóóóó!!


Rita Lavoyer

10 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

Falar pouco, pois você 'esgotou' o assunto.
Ninguém poderá perceber, ao longo de todo o texto, exagero ou mentira. Tudo acontece rigorosamente como Rita descreve.
Tem solução? Claro que tem! A articulista pode fazer parte dela!
Ficou excelente, querida amiga.

Carinho,
Jorge

jhamiltonbrito.blogspot.com disse...

Estes dois temas...Deus do céu! Cercear direitos é coisa inadmissível mas há que se estabelecer limites ,sobretudo em um pais "jovem " como o nosso. Até em nome do povo que ainda é muito preconceituoso e ou ou moralista.Feche os olhos: O Luizinho entra com o seu esposo Fernandão, no Bola Sete, mãozinhas dadas.Ah! que pouco vergonha, dirão uns.Teminado o jantar, pagam a conta, Fernandão dá um beijo na boca de sua "esposa"...são linchados ali mesmo. Mas um marido pode beija sua esposa em qualquer lugar e será elogiado pelo carinho.
Quanto ao aborto sou a favor nos termos da lei ja existente e só.Ah! e a união entre um menino e uma "menina" também.Todos serão?

Ventura Picasso disse...

Oi Rita:
O seu texto é ótimo, mas me deixou uma visão individualizada dos tais problemas. É o que você pensa, a sua visão humana, legal. Mas, todos nós somos contra o aborto. É traumático, doloroso e nos deixa rastros para o resto da vida, ninguém esquece um aborto. A questão colocada no campo da política se refere aos “5 milhões e 300 mulheres. Metade usou algum medicamento; e a outra metade foi internada para finalizar o aborto. Essa informação é da Pesquisa Nacional de Aborto (PNA), patrocinada pelo Ministério da Saúde. Entre 1995 e 2007 a curetagem pós-aborto foi a cirurgia mais realiza pelo SUS: 3,1 milhões de registros, contra 1,8 milhão de cirurgias de correção de hérnia” (Dr.ª Pai Ching Yu).
Quanto à união estável entre pessoas do mesmo sexo envolve os direitos das pessoas. Ao conviver, em geral há uma evolução dos envolvidos. Com o passar do tempo adquirem bens e conhecimentos que pertence aos dois. Esse é o único ponto da união que preconceituosamente chamam de ‘casamento gay’. Proteger os bens materiais e individuais das partes é o lado concreto que a lei atua. A partilha dos bens, na separação ou morte de uma das partes, a aposentadoria e todos os direitos sociais que qualquer casal obtém ao unir-se. Não se trata, pois de entrar no Bola Sete de mãozinhas dadas.
Esse debate deve ser provocado sempre que possível. “Hoje o aborto é usado como máquina de guerra eleitoral”.
“Quem porta uma gota de lucidez tem o dever, moral e político, de não permitir que a escoria fundamentalista de qualquer religião, que faz da religião um balcão de negociatas que vende Deus...”

jhamiltonbrito.blogspot.com disse...

Se me permite o amigo Picasso, as disposições legais, quaisquer que sejam serão estabelecidas pelo legislador e obedecidas pela sociedade.Me parece óbvio que seja assim e cabe ao cidadãO obedecê-las.No que o legislador não poderá interferir e isso só o tempo e a evolução de um povo o fará é o que vai na cabeças das pessoas e que determinará o seu comportamento frente a um quadro que envolve o incosciente coletivo. Então, não se trata SÒ mas tambmem de se considerar o "maozinhas dadas" em um determinado momento da vida social.Nesse momento " o casalzinho" será hostilizado...quer apostar o fusca?

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Bravo, Rita. Estou contigo!
Ótimo texto, pra variar. Um beijo.

Ventura Picasso disse...

Zemirtus:
Prestenção;
Tu tá vendo a coisa no escurinho da última fila.
Do nosso lado, do povão, nóis vê a coisa no coletivo.
E lá no meio da murtidão a lei protege tudo, a justiça é cega, ela num vê um cara só. Tem que tá tudo ajuntado no mesmo buraco. No escurinho a mão é boba, ocê faiz o que quizé faze, uai!

jhamiltonbrito.blogspot.com disse...

...intonce a maum num é tam boba assim, né cumpadi? inda mais nu iscurinho. Num izisti mais esse negocio de povão, lado di lá e lado di cá. C"a globalização e o advendo da net tamu tudim nu mesmo saco. E essa história de que a justiça é cega é coisa du passado, mano. Alguns que deveriam fazê-la como deve ser é qui são uns vagabundos. Ocê tá muito pessimista, sio! Pricisa sair mais, cantar, tomas umas e otras, ir nu grupo experimentar dá umas risadas com e do Heitor, o pornô.

Patrícia Bracale disse...

Direito a Vida
Dever de Amar

Poeira Viajante disse...

Oi, Rita! Passei hoje por aqui ler seu blog e adorei este texto. Realmente todos deveriam exaltar mais a vida e respeitar as diversidades. Isso é paz e evolução! Obrigada pelo texto, é muito bom! Beijão Marina Toledo - Poeira Viajante http://poeiraviajante.blogspot.com/

Letícia Catarin disse...

Aborto e Casamento Homossexual são assuntos complexos e polêmicos. O país não compreende a mudança que ocorre a todo instante. Aceitar ou não é o direito de cada um, mas respeitar a opinião alheia é o direito de todos, afinal, vivemos num país democrático, onde o povo pode expor sua opinião sem ser banido por tal ato.As vezes paro para pensar em qual nivel nosso ais vai chegar desta forma, Pré-conceitos e homofobias são repugnantes opinioes sem fundamento algum, e que não leva o homofóbico a lugar algum.
Defendi em um debate na escola estes dois temas e me surpreende com a tamnha ingnorância dos jovens, não só da minha idade, mais velhos, mais novos, enfim. Eu acreditava que a geração que está chegando, a minha geração, fosse aquela que defendesse o direito de todos, independente de crença, cor, sexo, opção sexual, mas vejo que segue o mesmo prncipio das pessoas mais velhas. Isso me deixa abismada, eu acredito em mudanças significativas na nossa política e na forma como jovens, adultos e idosos pensam, mas a cada dia que passa mais pessoas descriminam os homossexuais, a cada dia mais pessoas preferem o aborto, a cada dia o Brasil regride um pouco mais.

Seu texto está fantástico. E parabéns pelo blog, leio todos os dias!

Letícia