CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau.

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau.

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras.

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau.

sábado, 22 de outubro de 2011

DESVIAÇÕES




Quando a aurora intervier na vida da minha criança,
Colocar-me-ei de pé perante a minha adulta birra
Baixando-lhe a conduta desviante,
Salvando esta vida que mirra.

Quando o mirrado dia escuro
Quiser a minha criança transviar,
Que venha a minha adulta vida,
E de conduta em pé,
Tornar alvo o escuro
E compor-me em fé.

Quando a minha composição adulta
Qualquer dia escurecer a aurora,
Deixai fugir a minha criança
Com a sua fé mundo afora.

Quando o mundo aforado
Avaliar os pés da minha criança,
Esteja a aurora adulta para transpor a fé
Que transvia condutas, por birra,
Estragando do amanhã o dia.

Quando a minha criança
Compuser-se adulta, que tenha ela fé
Nas vias de suas auroras.
Que na bira do mundo de fora
não errem a mira os seus pés.





AUTORIA - RITA LAVOYER


imagens
http://no-infinito-particular.blogspot.com/2011_02_01_archive.html
http://amordemaeincondicional.blogspot.com/2010/07/pes-planos-e-observacao.html

6 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

Muito consciente, querida Rita.
A criança que trazemos não pode fugir jamais, seria a morte.

Beijos,
Jorge

ALAOR TRISTANTE JÚNIOR disse...

Quando criança eu era eterno
meu mundo era todos os mundos
não havia limites entre o céu e a terra
todos comiam na minha mão
porque eu sei que naquele tempo
eu morava em cada coração.

Célia disse...

...Quando criança, pegavam em minha mão e me conduziam, muitas vezes para onde meus pés não queriam ir...
...Hoje, conduzo-me e tenho saudades dos caminhos fugidios por onde passei para traquinar em minha infância. Era castigada, mas era muito bom! Hoje, minhas traquinagens adultas... também me castigam e, não me trazem nenhum bem. Abraço da Célia.

Ventura Picasso disse...

Oi Rita,
O lado mãe
mostrando as garras
delicantemente!

Dora Regina disse...

Lindíssimo...Tanto a poesia quanto a imagem!
Grande abraço!

Anônimo disse...

Que lindeza é essa, hein Rita Buarque?

Wanilda Borghi