CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

PROCLAME A SUA REPÚBLICA

Vida longa ao rei! Vida longa ao rei!
Deus salve o rei! Deus salve o rei!



A democracia de hoje é disfarce.
O escravo de hoje é moderno, se disfarça, ajoelha e reza. Aperta as mãos, bate nas costas, submete-se a capacho.



Proclame a sua república cada vez que sofrer golpes, desses acordados com as conveniências, as deles, aplaudidos e ecoados pelas criaturas bestiais.



Nos Quilombos reuniam-se humanos de raça.
Nos quirroubos reúnem-se os queijos, os culpados eternos pela proliferação dos ratos.



Oh, que lástima! Comem até a minha parte. Não gosto de queijo, mas tô muito aí, porque a minha casa não é república, nem restaurante, nem boteco. E esse alimento não faz parte do meu regime.


Proclame a sua república cada vez que sofrer golpes, desses acordados com as conveniências, as deles, aplaudidos e ecoados pelas criaturas bestiais.




Vida curta às réplicas. Vida curta às réplicas, senão o provisório se tornará permanente.


Hã? ???????????


Ah, esse é o meu espaço.


Estou cumprindo a minha missão: garantir a minha liberdade e o meu direito de cidadã - vou curtir um feriado kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Já que não tenho disponho de mordomia, a sujeira que me espere, acabarei com ela amanhã.

Vida longa aos rodos, aos baldes e às vassouras!

Oh, Deus! Oh, céus! Oh, vida! Cadê a minha goiabada?



Millôr Fernandes152 x 200 • 38 kB • pngkimangola.blogspot.comMais tamanhos
milla-delapraca.blogspot.com
www.brasilwiki.com.brMais tamanhos :




imagens de alguns sites e imagens da internet

4 comentários:

Célia disse...

Sinto-me um peixe fora d'água, Rita!! Esse não é o Brasil que aprendi a amar e respeitar... a decorar seus hinos e entoá-los... a reverenciar seus símbolos... a votar com dignidade... a trabalhar pelo bem de todos... Nessa revolução de ratos e sujeira debaixo do tapete... não consigo vida honesta e, meu grito pela democracia já não encontra eco. Vejo que o lema de hoje é: "venha a mim... o vosso reino que se..."
Abraço, Célia.

VELOSO disse...

É...

Cacá - José Cláudio disse...

Bestializados e Bolontras é o título de um livro sobre a reação popular à proclamação da república. E eu acho que continuamos até hoje bestializados pelos bilontras que entraram e não saíram mais do poder. Adorei o texto poético desconstruindo tudo criticamente, Rita. Um abraço. Paz e bem.

Cidadão Araçatuba disse...

O Texto é ótimo.
Vim elogiar sua participação na matéria da F.R, a semana toda tentei arrumar um tempinho para vim dizer isso aqui, mas não deu.
Agora deu,então tá valendo!
Abraço!