CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

O DISCÍPULO E O MESTRE





Um discípulo perguntou ao seu mestre:
_ Mestre, como distinguir o feio do belo?
O mestre lhe respondeu:
_ O belo é aquilo ou aqueles de quem nós gostamos e aceitamos. O feio é aquilo ou aqueles que desconhecemos, ou quando os conhecemos nos incomodam.
O discípulo continuou:
_ Mas, Mestre, se eu não os conheço como aceitá-los?


_ Pois bem, - disse-lhe o Mestre-. Antes de caracterizá-los “feios” arranque os seus olhos.
_ Mestre! - continuou o aprendiz-, se eu arrancar os meus olhos e ainda continuar a desconhecê-los, como aceitá-los?
O Mestre fitou-o impiedosamente, e com o dedo apontado àquele rosto interrogativo disse em tom severo:
_ Arranque o seu coração, assim passará a aceitá-los e o conhecimento de si mesmo lhe mostrará a beleza daquilo e daqueles.
_ Mas, Mestre, se eu arrancar esses meus dois grandes órgãos e ainda não conhecê-los e aceitá-los? O que fazer?
_ Muito simples, meu ainda aluno. Ajoelhe-se, arrie suas patas ao chão, deixe que te coloquem uma coleira e sirva de luz conducente a um cego. Aí, logo o acharão bonitinho, engraçadinho e útil. Você passará a lamber-lhes as mãos e, quem sabe, com uma sabedoria animal não passe a ver mais belo aquilo que lhe era feio. Qualquer animal consegue distingui do que e de quem gosta. Quando você tiver chegado a esse estágio de evolução, saberá que o feio era aquilo ou aqueles de quem você não gostava.
_ Mestre, ainda que eu me ajoelhe, que eu lamba e que eu conduza e não conseguir distinguir entre o belo e feio. O que fazer?
_ Devolva os seus olhos e o seu coração aos lugares de onde você os tirou e chame feios aqueles a quem você realmente tem a intenção de ofender, depois continue sendo aluno e esqueça tudo isso que conversamos.
_ Mestre, mesmo que eu faça tudo isso, que eu continue sendo aluno, e chegar ao estágio de conseguir distinguir o belo do feio, achar algo ou alguém belo e me reservar em dizer por não poder fazê-lo, qual o procedimento devo adotar?
- Quais motivos levam um jovem a reservar o belo dentro de si? O belo não pode ser oculto. Escondê-lo o faz clandestino. O belo que é clandestino pertence a outro. O belo que é do outro não merece ser apreciado?
_ Mestre, e se o outro, dono do belo, for o feio?
_ Como você saberá distingui qual é o feio ou o belo dentro dessa situação se ainda se propõe a ser mero aluno?





Autoria- Rita Lavoyer - membro da Cia dos blogueiros


Imagens da internet




9 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

Por um paradoxo que não sei definir com segurança, o aparentemente feio pode ser, na essência, muitíssimo belo.
Parabéns, Rita.

Grande abraço,
Jorge

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Grande sabedoria, mestra Rita. Meu abraço e meus parabéns por mais esta lavra em tom fabular.

HAMILTON BRITO... disse...

O belo que é do outro eu nao sei mas a bela....valha-me Deus.
Amiga, este mestre ta meio antiguado. Existe método pedagógico mais atualizado que nao judia tanto, até porque neste particular filosófico, seremos sempre alunos.
A visão que o jovem tem do belo é ainda tênue, superficial e só na idade madura começamos a vislumbrar nacos do belo. É quando o nosso espírito está maduro, mais observador, mais eivado de valores cristãos...acho.
Belo texto, como de praxe.

Célia disse...

Para termos a visão sábia do belo, só com muita lapidação vinda da sabedoria que o conseguimos. E, isso, como todo processo pedagógico leva um tempo... Bela reflexão Rita! Parabéns!
Abraço, Célia.

FelisJunior disse...

olá!belo blog...textos com tom fabular...boas lições pra nós iniciantes.
Bom domingo!

Ventura Picasso disse...

Oi Rita:
Dizem que os olhos são o espelho da alma.
Tudo isso depende da alma de quem vê...
Pode ser tudo belo ou...
Abração amiga.

Cidadão Araçatuba disse...

Matou a pau!
Quantas vezes passamos por maus alunos não é!?E está tudo na nossa frente...
Abração!

Ivani Kubo - Paisagista, Jardinista e Designer de Exteriores disse...

Rita, lindo o texto! Parabéns!
Gostaria de desejar um maravilhoso 2012 para você! Abraço.

O Poeta das Multidões disse...

Belo é uma questão de estética e harmonia. Agóra, feio é reunir o Mirto Fricote e o Hélio Consolaro. Parece convenção do inferno. Misericórdia. Heitor Gomes.