CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau.

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau.

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras.

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau.

sexta-feira, 30 de março de 2012

MORTO PELA CRUZ DE CRISTO






Vinte e quatro era bastante para a sua pouca idade,
e pouco para as horas que pretendia permanecer ali.

                      Chegou à igreja e prostrou-se debaixo da cruz  
                    pendurada no teto por corrente, 
 apenas no madeiro vertical,
    na ponta superior.

Dobrava os joelhos e erguia a cabeça.
 Passou horas a fio observando
aqueles contornos nus envoltos em um pedaço de pano de bronze.

O vento que entrava velozmente pelas portas abertas,
balançava o Homem que agarrava-se aos pregos
para não ser levado pelo sopro do tempo.

As pálpebras do crente sentiram o peso daqueles braços abertos,
e fecharam-se adormecidas,  instigadas pelo  movimento do pêndulo.
Com o céu romperam-se os elos.
Ela despencou-se do teto caindo sobre a cabeça do rapaz.
Ali ficou, no chão da igreja, morto pela cruz de Cristo.

 
Rita Lavoyer


Publicado em 28/01/2010

5 comentários:

Célia Rangel disse...

Rita! Que metáfora, hein?! Não sei se "rio ou choro"... Eis a questão... Morre-se pela cruz, na cruz e com a cruz! Amém!
Bj. Célia.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Um tanto mórbido, mas nem por isso menos belo. E com a marca da sua fértil imaginação - talvez a cartacterística mais flagrante da sua escrita. Parabéns, Rita, por mais esta! Feliz semana pra você.

HAMILTON BRITO... disse...

Eu rio....feliz por ter contato com tão belo texto

HAMILTON BRITO... disse...

Eu rio....feliz por ter contato com tão belo texto

Rita Lavoyer disse...

fazendo teste para verificar as captuchas.
Obs. retorno com elas porque estou recebendo toneladas de comentários de anônimos que vão direto para o hotmail,coisas totalmente sem propósito.