CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


sexta-feira, 27 de abril de 2012

QUERO DANÇAR UMA MÚSICA CONTIGO

imagem internet




A música suavemente toca os meus sentidos e eu me sinto conduzida pelo teu ímã.

O pólo de atração das tuas notas me envolve e eu posso sentir os teus toques, as tuas mãos, os teus afagos que me tocam e me imantam, para que eu gire em rodopios ao compasso da tua batuta.

Quero dançar uma musica contigo. Como quero!

Se me vieres, como que cavalgando, e me tirares para a dança, nossos corpos levemente bailarão num salão iluminado pelas cores da aurora. Isto agrada-me muito.

Quero tocar-te quando, com passos ardentes, cingires minha cintura.

Não te alcanço nos bailados. Cada passo teu, marcado no meu piso, ecoa teu cheiro, teu gosto, teu eco. Entre eles deliro, pois.

Quero dançar uma música contigo. Como quero!

Coloco-me sobre um espelho e bailo até que se finde a leitura das nossas cordas. Terminado o teu acorde, acordo e dou-me corda novamente, e fico a bailar, até que se feche esta caixa de desejos que sinto de dançar uma música contigo. Como quero!

Estarei na vitrine expondo a minha dança, até que alguém me compre e te presenteie comigo. Quando me abrires, penetres meus volteios. Bailemos sobre a superfície do vidro, e se da tua valsa eu estiver embriagada, como no relâmpago de um sequestro, esconda-me no compartimento das minhas jóias. Refugia-te no lago da minha aliança, para que o teu cisne regozije-se da umidade do meu palco.

Se a platéia, gritando blasfêmias, separar-nos antes que se finde a melodia, fecha a cortina do nosso espetáculo, volta-te aos braços dela, alteres os teus passos, tua cadência, teu som. Comemora com ela a tua apoteose.

As cores se apagarão, o compartimento se escurecerá, e no crepúsculo os flashes se acenderão sobre o desejo cicatrizado da bailarina que dançou delírios e continua exposta na vitrine, esperando que outros me comprem e te presenteie comigo, para eu dançar uma música contigo.



Rita Lavoyer  é membro da Cia dos blogueiros

4 comentários:

Célia Rangel disse...

Ah! Cavalheiro... tire-me pra dançar!
Bj. Célia.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Coisa linda. Feliz do seu parceiro de bailados! Muito bom, Rita. Aproveito pra agradecer o comment lá no meu sítio. Um tanto hermético e sinistro o texto desta vez...
Um beijo pra você.

jose claudio disse...

"No ano dois mil e um
Se juntar algum
Eu peço licença
E a dançarina, enfim
Já me jurou
Que faz o show
Pra mim"
(Chico, A Dançarina)

Oi, Rita. Que delícia de poesia!

E obrigado pela presença sempre tão gentil. Estou de volta devagar e sempre.
Um grande abraço. paz e bem.

Cecilia Ferreira disse...

Com ahitória do Flaudinho fazia tempo não vinha ler em sua primeiracasa. Como sempre, curti. Bjnhs