CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Sorriso e Sochoro

Publicado no Jornal Folha da Região em 22/07/2014 na coluna Tantas Palavras


SORRISO E SOCHORO

Sorriso e Sochoro são duas pessoas que se encontraram nos cruzamentos da vida. Apostaram que poderiam ser boas companheiras.

Uma chuta com o pé direito, a outra apoia-se sobre o esquerdo.  Uma escreve com a mão direita, a outra acena com a esquerda. . Uma enche os olhos de lágrimas de tanto rir, a outra de tanto chorar. Uma gosta de se alimentar no almoço; a outra na janta. Uma se deita quando tem sono, a outra se levanta quando o sono acaba. Uma sai alegre para o trabalho; a outra, emburrada, volta exausta para casa. Uma gosta de comédia, a outra de tragédia.

Quando uma esta bem de saúde, a outra inventa de ficar doente. Depois que uma vai a outra vem.  Uma se desdobra para ser fina e delicada, a outra se enrola em pura antipatia. Para uma tudo é muito caro, mas a outra não está nem aí.  Uma vira a cabeça dos homens; a outra tem a cabeça virada por eles. Uma é fogosa, a outra frígida.  Uma é razão, a outra emoção.

A maciez do travesseiro de uma exala paz, mas a dureza da cama da outra implora guerra. Os sonhos de uma finalizam-se em realizações, enquanto  as frustrações da outra proliferam pesadelos. Uma é fértil, outra estéril.

Apesar das diferenças, como siamesas, elas não se desgrudam. Quando uma vai ao banheiro a outra faz questão de fazer igual. Em algumas circunstâncias, uma não suporta o cheiro da outra e como vingança uma despreza e a outra xinga.  Uma é o espelho do futuro, a outra o reflexo do passado. Quando uma tende a ser auditiva, a outra insiste em ser visual. A extravagancia de uma contrapõe-se à introspecção da outra. Uma é o grito, a outra o silêncio. Idênticas nas rivalidades, só por ódio, uma ama juntar-se à outra.  

Quando uma opta por sair no claro, outra quer refugiar-se no escuro. Se uma quer sorvete, a outra pede um chá quente. Uma diz: “bom-dia”,  a outra responde: “ e o que é que tem de bom?”. Enquanto uma, sendo crente, reza, a outra é descrente e amaldiçoa. Entendem-se apenas em duas ocasiões: na adversidade e reciprocidade política:  - na oposição uma optou pela direita; a outra pela esquerda e  na situação uma não gosta da outra.

Ambas impressionaram-se, certa vez,  pela fisionomia aparente que trazem. As duas têm buracos no nariz, furos nas orelhas e enxergam com os dois olhos. Cabelos longos em cima, curtos embaixo.    Fruto do mesmo espermatozoide, mesmo genoma, mesma placenta, mesmo sexo e, por incrível que pareça, a mesma impressão digital, fenômeno que, para pessoas diferentes, a ciência não explica.

Aborrecida por uma despertar para a vida, a outra para a morte, Sorriso, que é só alegria, cansada da prolixidade de Sochoro tentou abreviá-la.  Morria de rir vendo a aquela cena. Mas junto com elas sofreram elas mesmas num silencio gritante, apesar de univitelinas, encontraram-se -  as duas  -  naquele único  momento de equilíbrio, pondo um fim àquela TPM que as deixava bipolarmente exaltadas.   

Sobreviventes passaram, as duas, a dividirem o antidepressivo. Uma o pega com a esquerda, a outra o corta com a direita e engolem as partes pela mesma boca, a única. Repetem isso várias vezes ao dia,  tentando descobrir quem é a Sorriso e quem é a Sochoro nessa dupla identidade desenvolvida num único corpo.   Quando não entram num acordo sobre essa questão, são unânimes em multiplicar a dose de comprimidos.

Rita Lavoyer

Nenhum comentário: