CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

2016 - ANO DO MACACO DE FOGO

Bem isso: ou você encara  ou está queimado de vez. No calendário chinês, que começa no dia 08 de janeiro,  cada ano vem representado por uma animal.  Este ano é o ano do macaco e, para  que tudo ocorra bem, tanto na sua vida, como na dos outros, é melhor que cada macaco fique no seu galho. Logo, escolha um galho que o suporte e nada de fazer macaquice no galho alheio, porque não é assim a forma correta de quebrar o galho dos outros,  jogando-lhe o seu peso.  
Há instituições preocupadas com o bem-estar dessa espécie. Acabou a era da banana.  Hoje, com as leis de proteção aos animais vejo os macaquinhos enjaulados comendo alimentação balanceada, evitando que fiquem acima do peso. Bem pensado isso. Já pensou, o pobre animal, além de estar enjaulado,  sofrer bullyingno cárcere de luxo por ser gordo? Vamos cuidar do psicológico do bichinho, porque se ele ficar descontrolado pode  se virar contra a humanidade. Já ouviram a expressão: metralhadora nas mãos de macaco?  
 Foi o que aconteceu em 2015 todinho Muito macaco gordo, tentando quebrar o próprio galho, armados de suas incontroláveis incompetências, saíram atirando por todos os cantos, botando fogo nos rabos dos outros. E nem era o ano do macaco do fogo ainda 
Para quem ainda não se deu conta, em 2015 fomos metralhados por primatas engravatados da direita, da esquerda, centroavante ...  não nos faltaram balas  atiradas  por esses  ancestrais, que ainda não desenvolveram  o volume médio do cérebro e se põem a trepar em cargos, amarrando seus rabos  em cabides, acotovelando-se indecorosos, para ver quem escorrega primeiro na casca e, em seguida, dar  “ uma banana”  a quem conseguiu prejudicar.  
 É fogo, torcida brasileira!   Se 2015 foi somente uma amostra do que o bicho queria fazer,  que em 2016  o macaco  acerte e não aperte a banana dos outros.  
E que todos lhe tenham respeito, afinal macaco é um bicho inteligente.  Explicando:  Foram à  escola das cavernas comer merenda e aprenderam que descobrir somente uma  roda não era suficiente. Inventaram mais uma e criaram a bicicleta: a única, que fora comprada a preço de banana pelo dono da tribo para presentear o filho que estava acima do peso 
 Pular nos rios, saltar das cachoeiras, imitar Tarzã  era melzinho na banana se o assunto fosse  refrescar o corpo depois das pedaladas. Bom mesmo  seria descobrir o fogo para agasalhar o estômago com uma boa refeição, daquelas que aprendera no Master Chef.    
 Em toda geração há sempre um herói desajustado. E ele estava  lá naquela caverna um  macaquinho gordo com isqueiro no bolso da tanga. Não deu outra:  apeou de sua  bike e foi  cozinhar  as frutas. Queria uma bananada.     Quem podia imaginar que  as danadas das bananas eram de dinamite? Foi uma explosão só! 
 Daí  inventaram aquela teoria cosmológica do Big Bang com intuito de  encobrir  aquela  caca”  do filhinho do Australopiteco Mor,   por ele ter sido considerado,   por  Darwin, diferente da evolução da espécie quando teve a infeliz ideia de postar sua selfie, com a explosão, no facebookCom as ameaças que o playmonkey - que ainda não era playboy - sofreu nas redes sociais, sobrou  ao  Steven Spielberg  disfarçar o bicho num E.T. e mandá-lo com a bendita bicicleta pro espaço que ele tinha acabado de abrir. 
 Então,  esse negócio do Big Bang  foi uma baita  maquiagem nas pedaladas  daquele  macaquinho  atrapalhado  naquela ocasião.  Viu, é fogo mesmo, por causa da roda  o círculo vicioso das maquiagens seguem inocentando nossos ancestrais, culpados de todos as falhas humanas  promovidas até hoje.  
Se havia dúvidas  sobre  nossas origens, os fatos justificam as razões das crise mas que os hominídeos de óculos escuros, que ainda andam de  quatro,  conseguem ver somente uma: a crise existencial. 
 Enquanto isso, os que usam colírios, seguem equilibrados  sobre as próprias pernas,  apagam o fogo provocado por quem insiste em nos “dar  uma banana”, só porque não sabe andar de  bicicleta e vive pagando mico 
Coitado do macaco, ainda que os cães, lobos e lobistas ladrem,  não o roubem  fazendo terminar  2016 aos cacos, e que seu galho não seja quebrado, mas resolvido a contento de todos que sabemos fazer “das bananas” motivos de vitórias.  Encarando de frente, 2016!  



4 comentários:

Célia Rangel disse...

Bem, Rita, pelo jeito, esse ano o mote não será: "Aos vencedores, as batatas"... mas, "as bananas"... Que "pedalem" honestamente para que as "explosivas" não caiam sobre nossos "galhos"...
Abraço!

Rita Lavoyer disse...

Oi, Célia! Um excelente 2016 à você e toda sua família. Que nossos galhos sejam fortes o suficientes para suportarem as explosivas, caso elas nos atinjam. Tomara que não, mas se acontecer, que façamos das bananas uma boa salada de frutas, afinal já descascamos muitos abacaxis e amargamos muitos limões para chegarmos firmes até aqui. Abração!

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Então... aguardemos, oremos e confiemos no macaco!

Rita Lavoyer disse...

há há há, vamos confiar nesse nosso amigo que já está acostumado às pesquisas de laboratórios, quem sabe ele nos ensina a superar esses testes pelos quais estamos passando. Obrigada, Marcelo!!