CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras, com a poesia O FILME;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia, com o poema AS TUAS MÃOS.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras, com a crônica PLANETA MULHER;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras, com a poesia PERMITA-SE;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

2018 - 24ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de janeiro de microconto Escambau;

2018 - Menção honrosa na 4ª edição da Revista Inversos, maio/ com o tema Crianças da África - Poesia classificada BORBOLETAS AFRICANAS ;

2018 - 31ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de janeiro de microconto Escambau;

2018 - 32ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de janeiro de microconto Escambau;

2018 - 5ª classificada no TOP 7, na 1ª semana de junho de microconto Escambau;

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

MOCINHAS SEXAGENÁRIAS - SESC BIRIGUI

Foto: Willians Menane


Por Rita de Cássia Zuim Lavoyer
Birigui, a Cidade Pérola, capital do calçado, pedaço precioso do Brasil, é uma cidade que respeita a natureza. E para colaborar com seu progresso estabeleceu-se, ali, o Sesc que, atuante, caminha lado a lado com o tempo, por isso entendeu que sua unidade precisava expandir. 
Havia um terreno de glamourosa história registrada na Vila Xavier. Idealizaram-no: local adequado para o projeto de expansão. Parcerias firmadas, a doação do terreno concretizou-se. Com a graça da beleza que a natureza oferece, habitavam ali vinte e quatro Palmeiras Imperiais – mocinhas sexagenárias –, predestinadas à soberania. Esbanjando elegância de estilo, são, do presente, o valor. 
Ah! Não se podia matar tanta beleza natural em nome de bela obra de arquitetura. A solução seria pedir às Palmeiras licença para mudar-lhes o espaço, conservando o seu endereço. Ah, a Natureza respirou aliviada, o homem ouvira-lhe as preces e, por intermédio do Sesc, as Palmeiras, naquele terreno, estarão preservadas.

Mãos à obra que o sonho já é realidade. Reuniões, planejamentos, roteiros, etapas, esboços, demolições, limpezas, terraplenagem,  arquitetura, engenharia, planta humanizada, estruturas, design, instalações, jardinagens, tudo pensado, discutido e aprovado para que as “Estrelas em destaque” sejam, nesse Universo do Sesc, a sua marca registrada.
Novos empreendimentos exigem trabalhos e as Palmeiras souberam que desse espetáculo são as protagonistas, para as quais todos os empenhos seriam consagrados.  Para usufruírem melhor bem estar nessa nova morada, avisaram-nas de que do berço em que estavam, a outro precisavam ser transplantadas.
As “Vinte e Quatro Mocinhas”, exultantes, concederam singela licença. Valentes, aceitaram o desafio: deixaram-se conduzir a tão responsável aventura.
E a terra foi revolvida. Como joias, feitos os cálculos, as Palmeiras, uma a uma, carinhosamente, foram removidas e postas em destaque no projeto arquitetônico.  Em reverência às suas origens, levaram consigo suas raízes e de humildades fertilizaram-se. Ante os novos espaços, no mesmo terreno, a elas destinados, viram-se transplantadas. Ali, brincando, exibiam suas silhuetas esguias com mais de doze metros de altura, alegrando dos céus seus carizes. Mostravam-se gigantes, gloriosas a essa nova etapa.
Dia a dia, compreendiam que deixar o seu solo, experimentando outros lugares, extraindo deles o necessário aos seus fortalecimentos, lhes aumentava o vigor. Aos  pássaros desejam-se pousada, sustento, potencializando a ambos as suas finalidades, virtude que a vida lhes proporcionou.  
Enquanto pesquisas e projetos se desenvolviam e aos poucos se concretizavam  para transformar o recinto em  ecológico e ambientalmente o mais sustentável possível, havendo  duradoura reciprocidade entre as Palmeiras, seus tempos e seus espaços,  a gestação do padrão estrutural perpetuava em sua coluna o retrato de cada uma delas, valorizando-lhes os perfis.
E elas, assistindo tranquilamente ao trabalho, durante cinco anos, aprofundaram-se em propensa fortuna. Tudo já era realidade. Hoje, podemos ver que o projeto se adequava às Palmeiras. Aos nossos olhos presenteados o deleite de toda uma arte onde das Palmeiras impera o verde de seu matiz, registram no conjunto da obra os seus DNAs, porque o Sesc Birigui é tal como as Palmeiras Imperiais e elas, cientes dessa unificação, agradecidas, o edificarão. 
Revigoradas com os tratamentos que receberam e, findado o processo dessa criação, revestidas da estirpe que lhes foi consagrada, guarnecidas de maturidade, sagraram-se Senhoras de si. Novamente transplantadas, ganharam, cada uma, a poltrona que lhe é de direito, para que, estabelecidas em seus canteiros, assistam, abrilhantando, a unidade a elas planejada.
Com total autonomia, as Palmeiras Imperiais ruflam suas folhas ao tempo para dizer-lhe que continuarão lado a lado com ele em suas infindáveis jornadas, porque no Sesc Birigui- Capital das Palmeiras,  é o lugar  onde elas, para todo o sempre,  desejam ser e estar. Privilégio que, desde os seus nascimentos, a Natureza registrou em suas credenciais.  
  



Rita de Cássia Zuim Lavoyer é professora de literatura e escritora.
A convite do Sesc, Rita nos presenteou com o texto contando a história de um dos principais elementos da paisagem da nova Unidade do Sesc em Birigui, as palmeiras imperiais (
Roystonea oleracea) que estão presentes no terreno ha mais de sessenta anos e que foram preservadas durante a obra do complexo Sesc em um delicado processo de transplante e preservação.
 
·         compartilhar
·          
TAGS

Outras programações

Um comentário:

Célia Rangel disse...

Parabéns, Rita, pela homenagem recebida e ofertada!
Abraço.