CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras, com a poesia O FILME;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia, com o poema AS TUAS MÃOS.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras, com a crônica PLANETA MULHER;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras, com a poesia PERMITA-SE;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

2018 - 24ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de janeiro de microconto Escambau;

2018 - Menção honrosa na 4ª edição da Revista Inversos, maio/ com o tema Crianças da África - Poesia classificada BORBOLETAS AFRICANAS ;

2018 - 31ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de janeiro de microconto Escambau;

2018 - 32ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de janeiro de microconto Escambau;

2018 - 5ª classificada no TOP 7, na 1ª semana de junho de microconto Escambau;

2018 - 32ª classificada no TOP 35, na 3ª semana - VII de junho de microconto Escambau;

quarta-feira, 30 de maio de 2018

BATE-BOCA NOS GRUPOS DE WHATSAPP




Não vou explicar aqui as múltiplas funcionalidades do WhatsApp, mas nesses grupos a gente lê de tudo um pouco; desde simpatia para curar olho vesgo à aulas de investimentos em Bitcoin.  Fiz parte de alguns e confesso não saber como me acharam para me incluírem lá. De muitos já saí porque não tenho tempo de acompanhá-los e nem os objetivos pelos quais foram criados agradaram-me.

Ajuda!? Sim. Esse aplicativo ajuda bastante. Embora estejam longe, com ele, mantenho os meus queridos sempre por perto.

Alguns grupos do WhatsApp têm administradores, com regras estabelecidas sobre o que se pode postar, ou debater, caso permitam.  Entendido? – Sim!

Exemplo: aparecem uns “desavisados”, dos grupos: “Resgatando a Família Patriarcal Tradicional” e postam a “Agenda do ano do movimento LGBT”.  Está no dos veganos, posta vídeo   fazendo churrasco com os amigos e chutando o cachorro.  Pior é que a maioria das postagens é fake news.  Se lhes avisarem que aquela foto, ou vídeo são montagens, aí o pau quebra e descem sobre os ombros dos “sem noção” discursos idealistas de todos os tons e cores. Os descuidados pedem desculpas, dizem que não cometerão outros deslizes e reincidem com publicações nada a ver, ou até piores.  Até esses “desavisados” entenderem que estão no grupo errado, saindo, ou sendo excluídos, o bate-boca atravessa semanas, muros das casas. Alguns acabam na delegacia.

Pior que, mesmo arrependido com a postagem, o mensageiro tem apenas uma hora para apagar o que enviou, muitas vezes não há tempo hábil para isso. Ruim também é quando gostamos de um grupo, vamos procurá-lo e cadê? Foi assim. Procurei a administradora do grupo, ela disse-me que eu tinha “me excluído”. Estranhei, afinal, na ocasião, nem sabia entrar, quanto mais sair.

Sabe aquela pessoa que deseja ser a primeira a postar uma novidade? Como se ela, sendo mensageira, fosse agraciada por espalhá-la? Exemplo de um fato que acompanhei.
“Comunico a todos que o meu padrinho, internado há semanas no hospital, em São Paulo, passando por várias transfusões de sangue, acabou de falecer”.

Em minutos apareceu outra postagem do “filho do padrinho” desmentindo a postagem anterior, a do afilhado, informando que o pai ainda estava vivo! Ao invés de o mensageiro excluir a postagem, que ainda dava tempo, entrou no bate-boca com o filho do suposto falecido.  

Nesse imbróglio, as mensagens de pesar, de “graças a Deus descansou em paz”, morreu do quê? onde vai ser o velório? - e o filho justificando que o pai estava vivo -, perdiam-se na confusão e, ali, imperou uma Babel.  

As discussões, entre zoeira, lição de moral, pedidos de desculpas não entendidos pareciam briga de foice. A briga foi tão feia que não havia meios humanos capazes de pôr fim ao problema. Foi quando Deus resolveu intervir – acho que nem Ele aguentou aquela confusão -  e a postagem derradeira encerrou aquele infortúnio:

“ Comunico a todos que o meu pai, internado há semanas no hospital, em São Paulo, passando por várias transfusões de sangue, acabou de falecer. ”

Como outras postagens pioravam os relacionamentos, optei por me retirar.  

Em razão dessas e de outras histórias, talvez piores, especialistas em relacionamentos virtuais, pensando em ajudar os usuários a se comportarem adequadamente, lançaram manuais de etiquetas de como usarem corretamente as redes sociais, evitando mágoas, inimizades e indenizações desnecessárias.  Podem ser baixados e lidos a qualquer momento. Façamos bom proveito deles.

Mas há um problema: o manual precisa ser lido. Alguns, por falta e tempo, terão que optar: lê-los, ou as mensagens dos grupos?  Como quiserem! Não quero bater boca aqui.


----------------------------------por Rita Lavoyer ----------------------------------

2 comentários:

Célia Rangel disse...

Ai, Rita... Adorei sua crônica!
Tenho outros meios de contato reto e direto com quem quero e amo. Dessas redes sociais estou longe... Aposentada integral... Quero paz e harmonia com os meus.
Abraço.

Rita Lavoyer disse...

Oi, Célia. Demorei para me adaptar a essas ferramentas. Tirando as porcarias que postam, dá para tirar um proveitinho do canal kkkkkkkkkkkk

Obrigada pela leitura e comentário
Abração, Célia.