CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


terça-feira, 8 de julho de 2008

DEIXA QUE CHOREM SOBRE O SEU CADÁVER, SENHORA!



“Quando aquele corpo, embora sendo seu, jazer em outra cama, deixa, Senhora, que chorem sobre o seu cadáver.
Quando aquele corpo, já tão frio e seu, e elas, ali paradas, querendo sobre ele chorar, deixa que chorem sobre o seu cadáver.
Quando o seu cadáver, já ex-são, embora seu, jazer tão frio, deixa, Senhora, o palco livre que outros, ali, chorem o seu cadáver.
Quando aquele cadáver, em palco livre, já chorado pela Senhora, por elas e por todos, pedirei que me deixe chorar sobre o seu cadáver, agora homem meu, que jaz no palco que para mim nunca fora livre.
Deixe-me chorar sobre o corpo quente desse seu, e sempre meu, que todos, embora o olhassem, não sentiram o quente corpo, como nós Senhora, sentimos.
Quando o seu corpo, embora meu, tão quente e firme, deitado à cama, e eu sobre ele deslizar, deixe-me, Senhora! Deixe-me, Senhora! Outrora seu, também tão meu, ainda meu, tão quente e firme, suave e belo. Deixe-me, Senhora!
Deixarei minha alma chorar, porque ela sente o quente da alma dele, ainda viva dentro de mim. Viverá para sempre nesta minh’alma que se completa agora que o terei eternamente meu.”

Amada! Tracei essas palavras e as costurei aos moldes do seu luto. O maior Homem do mundo também foi amado e também morreu. Abrace a dor que lhe cabe, pois é à ela, a Senhora, que ficarão os filhos e outros bens. A você? O vazio, a saudade e os dedos em riste. Suportará, por certo. Suportou tanta ausência. Fez de lágrimas, sorrisos para alegrá-lo, elevá-lo.
O ajudou , tantas vezes, a voltar para a casa fortalecido para suportar o que lá o esperava. Se ela foi uma Senhora Dama e você foi uma dama de companhia, não importa agora. O que importou foi o quando se encontraram, se entrelaçaram, se descobriram e se amaram. Os semelhantes possuem suas diferenças, quanto mais nos aproximemos deles, tantas mais as descobrimos. Se você foi o efeito, procurar a causa aonde? E não é assim : “Pessoa tão boa, de tantas qualidades. Por que tinha que morrer?” Quem sabe das qualidades ou dos defeitos? Quantas ele não deve ter aprontado lá, e você não soube, Amada, até que ele chegasse aos seus braços? Ou pior, em quantos braços ele já não deve ter passado antes de chegar aos seus?
Mas se você acha que será a última, pois não há mais tempo a ele, proporciona-lhe um dia de amor, diga-lhe tudo de bom que traz em sua alma e o faça plenamente feliz para que, entre beijos e gemidos, ele alcance os seus ouvidos e confesse ter sido você, embora tarde, a razão da passagem dele nesta vida. Depois, continue vivendo. A partida deverá ser dele e não sua. Lembrando, espécie desse tipo dá em pencas a um precinho de ocasião.

4 comentários:

Cássia disse...

As vezes as preucupações com o dia de hoje não são nada comparadas com o amanhã, o que vale é acreditar nos dias como sendo "testes" que vão nos selecionar como os mais mortais dos imortais.
Rita Adorei esta postagem...
Vc já divulgou seu blog para o pessoal da academia?
Bjos

Anônimo disse...

Texto magnífico

Anônimo disse...

Esse eu adorei.
L� tr�s vezes.


WAnilda Borghi.

Luluca Lara disse...

esse texto é mais complexo para o entendimento, portanto merece que seja lido várias vezes.E a cada nova leitura extraímos dele novos significados, colocamo-nos como personagens, cada vez no lugar de um, e refletimos sobre o papel nosso, (ou dele) em cada tipo.Genial!Envio aqui um poema q também fala sobre a difícil arte de "morrer"escrito por Álvares de Azevedo: Lembrança de Morrer

Quando em meu peito rebentar-se a fibra,
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Não derramem por mim nenhuma lágrima
Em pálpebra demente.

E nem desfolhem na matéria impura
A flor do vale que adormece ao vento:
Não quero que uma nota de alegria
Se cale por meu triste passamento.

Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto, o poento caminheiro,
– Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfaz ao dobre de um sineiro;

Como o desterro de minh’alma errante,
Onde fogo insensato a consumia:
Só levo uma saudade – é desses tempos
Que amorosa ilusão embevecia.

Só levo uma saudade – é dessas sombras
Que eu sentia velar nas noites minhas…
De ti, ó minha mãe, pobre coitada,
Que por minha tristeza te definhas!

De meu pai… de meus únicos amigos,
Pouco - bem poucos – e que não zombavam
Quando, em noites de febre endoidecido,
Minhas pálidas crenças duvidavam.

Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
Se um suspiro nos seios treme ainda,
É pela virgem que sonhei… que nunca
Aos lábios me encostou a face linda!

Só tu à mocidade sonhadora
Do pálido poeta deste flores…
Se viveu, foi por ti! e de esperança
De na vida gozar de teus amores.

Beijarei a verdade santa e nua,
Verei cristalizar-se o sonho amigo…
Ó minha virgem dos errantes sonhos,
Filha do céu, eu vou amar contigo!

Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz, e escrevam nela:
Foi poeta - sonhou - e amou na vida.

Sombras do vale, noites da montanha
Que minha alma cantou e amava tanto,
Protegei o meu corpo abandonado,
E no silêncio derramai-lhe canto!

Mas quando preludia ave d’aurora
E quando à meia-noite o céu repousa,
Arvoredos do bosque, abri os ramos…
Deixai a lua pratear-me a lousa!