CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

terça-feira, 3 de março de 2009

PRISÕES ÍNTIMAS

Coluna "MULHERES' - Jornal Folha da Região - 03/03/2009.


Mulher, o que a mantém presa dentro deste universo chamado “VOCÊ”?
Mulher, o que a mantém presa a este orgulho que a faz menor que o problema não resolvido com os teus pais? Ou, à educação a que fora submetida, que já passou, mas que você ainda a reprova?
Mulher, o que a mantém presa aos padrões sócio-culturais, nos quais você não se encaixa, mas insiste em corresponder?
Mulher, o que a mantém presa a este teu emprego que a faz tão irrealizada profissionalmente? Ou, à tua vida doméstica se lá fora suplicam a tua experiência?
Mulher, o que a mantém presa a esta amiga à qual não julga sincera? Ou ao teu noivo se ainda pode desistir do casamento?
Mulher, o que a mantém presa ao teu casamento se já não se correspondem às necessidades dos fatos? Ou a este ciúme que a consome inteira?
Mulher, porque se prende à serviçal, se enquanto mãe seria mais digna aos teus filhos? Ou a este preconceito que a impede ser mulher ao teu marido?
Mulher, o que a mantém presa a este teu silêncio que abafa o grito explodindo em teu peito? À esta tua imagem tão ultrapassada e fora de moda?
Mulher, o que a mantém presa a tua religião se ela já não responde às tuas indagações espirituais? Ou àquele doutor se ele insiste em dizer que a tua saúde está ótima?
Mulher, o que a mantém presa à tua carranca pesada que a impede sorrir? Ao teu consumo desenfreado se tudo o que compra é inútil ao teu crescimento? À tua ignorância impedindo conhecer a tua identidade? Mulher, o que a impede dizer: “EU TE AMO!” àquele a quem tanto deseja?
Mulher, da pré-história ao contemporâneo, já fez uma reflexão pra saber em qual era você se enquadra? Mulher, nossas paredes íntimas, não somos nós mesmas quem as erguemos? Não somos a carcereira de nós mesmas? O que a mantém de braços cruzados, mulher, se a marreta está ao teu lado para quebrar as paredes? Mulher, por que, às vezes, deixamos que outras pessoas tenham mais poder sobre nós do que nós mesmas?
Mulher, fomos educadas a não matar, mas, a muitas de nós, não foi ensinado a aprender a viver. Amiga, não tente fugir das tuas prisões. O fugitivo será sempre perseguido e capturado, aí, a prisão vira perpétua. Saia das tuas celas com a liberdade conquistada para poder residir, neste universo chamado “VOCÊ” da forma que quiser. Amiga, honre tua espécie. Você é Mulher! Vamos, amiga! Eu te ajudo. Você me ajuda. Ambas precisamos dar finalidade às nossas marretas.

Um comentário:

Cássia disse...

Minha querida e linda amiga...enqto lia, misteriosamente uma rachadura se abriu no tampo da mesa debaixo do jornal...Sua voz sem pausa, prossegui firme e rápida antecipando todas respostas destas fendas que brotam nas nossas vidas...Amei*bjss*K*