CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

quinta-feira, 30 de julho de 2009

A ARTE DE FINGIR

Vou fingir que faço versos

vou fingir que estou aqui

vou fingir que lhe tenho carinho

vou fingir que não o conheço e

não me lembro de você.

Vou fingir que não o idolatro

e que não o endeuso para não

poder morrer.

Vou fingir que sou poeta

para fingir que dói menos.

Vou fingir que está calor

para buscar o aconchego

no agasalho do teu corpo.

Vou fingir que é real

o que sou toda mentira.

Vou fingindo e retalhando as verdades

para que cada parte dela

complete mais meu fingimento.

Rita Lavoyer

2 comentários:

Luzis disse...

para o poeta a palavra fingimento já é um soneto completo...mesmo jurando q finge algo, seus versos traem seus sentimentos, em cada rima , exala o sentimento q sente sem esconder .Adorei a seu poema, retrata a verdade q mts insistem em esconder.Bjs

jhamiltonbrito..blogspot.com disse...

THE GREAT PRETENDER...
meu mal/ é viver fingindo/ fingindo é que eu vivo tão bem/ viver fingindo / é meu drama real..
...é o único bem deste mal... ou...
Realmente, amiga Rita, a poesia que tens lá, tens cá e de forma mais intensa...meus respeitos, senhora.