CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


quinta-feira, 29 de abril de 2010

30 DE ABRIL - DIA NACIONAL DA MULHER.

Prisões íntimas.

Mulher, o que a mantém presa dentro deste universo chamado “VOCÊ”?
Mulher, o que a mantém presa a este orgulho que a faz menor que o problema não resolvido com os teus pais? Ou, à educação a que fora submetida, que já passou, mas que você ainda a reprova?

Mulher, o que a mantém presa aos padrões sócio-culturais, nos quais você não se encaixa, mas insiste em corresponder?
Mulher, o que a mantém presa a este teu emprego que a faz tão irrealizada profissionalmente? Ou à tua vida doméstica se lá fora suplicam a tua experiência?

Mulher, o que a mantém presa a esta amiga à qual não julga sincera? Ou ao teu noivo se ainda pode desistir do casamento?
Mulher, o que a mantém presa ao teu casamento se já não se correspondem às necessidades dos fatos? Ou a este ciúme que a consome inteira?

Mulher, porque se prende à serviçal, se enquanto mãe seria mais digna aos teus filhos? Ou a este preconceito que a impede ser mulher de verdade ao teu marido?
Mulher, o que a mantém presa a este teu silêncio que abafa o grito explodindo em teu peito? À esta tua imagem tão ultrapassada e fora de moda?

Mulher, o que a mantém presa a tua religião se ela já não responde às tuas indagações espirituais? Ou àquele doutor se ele insiste em dizer que a tua saúde está ótima?
Mulher, o que a mantém presa à tua carranca pesada que a impede sorrir? Ao teu consumo desenfreado se tudo o que compra é inútil ao teu crescimento? À tua ignorância impedindo conhecer a tua identidade?
Mulher, o que a impede dizer: “EU TE AMO!” àquele a quem tanto deseja?

Mulher, da pré-história ao contemporâneo, já fez uma reflexão pra saber em qual era você se enquadra? Mulher, nossas paredes íntimas, não somos nós mesmas quem as erguemos? Não somos a carcereira de nós mesmas? O que a mantém de braços cruzados, mulher, se a marreta está ao teu lado para quebrar as paredes?

Mulher, por que, às vezes, deixamos que outras pessoas tenham mais poder sobre nós do que nós mesmas?
Mulher, fomos educadas a não matar, mas, a muitas de nós, não foi ensinado a aprender a viver.

Amiga, não tente fugir das tuas prisões. O fugitivo será sempre perseguido e capturado, aí a prisão vira perpétua. Saia das tuas celas com a liberdade conquistada, para poder residir neste universo chamado “VOCÊ” da forma que quiser.
Amiga, honre tua espécie. Você é Mulher! Vamos amiga! Eu te ajudo. Você me ajuda. Ambas precisamos dar finalidade às nossas marretas.

RITA LAVOYER

18 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

E nos vem a pergunta: o que seria dos homens se não fosse o amor de uma mulher?
Da amiga, da parceira, da Mãe, da lady na mesa e puta na cama? Não, o que foi dito não é para ofender.
Quem ama sabe! A mulher deve ser total, integral. E que o homem esteja a sua altura!
Parabéns, Rita.

Abraços
Jorge

Ivani Kubo disse...

Rita,
Muito bonito o seu blog.
Virei sempre ler-te.
Abraço.
Venha passear no meu jardim:
www.ivanikubo.blogspot.com

intertextotal.blogger.com disse...

Rita,
Gostei muito do que li!...
Realmente alguns fantasmas nos perseguem...
Tenho me refugiado nos sonhos,mas a vida quer da gente é CORAGEM!...
Ousemos, pois...
Bjão!
Bernadete Valadares.

Lilá(s) disse...

Olá Rita
Gostei muito do seu blogue, este artigo diz-me muito, sou uma pessoa muito independente, sempre contei acima de tudo comigo própria, se um dia não estou bem mudo-me...
Bjs

Guará Matos disse...

Libertas Quase Sera Tamen.
Bjs.

Andrea R. Martins Corrêa disse...

Difícil, não Rita?
Não somos tão livres como imaginamos e desejamos, e também escravizamos, tanto quanto não queremos ser escravas...

abraço

Lúcia disse...

Oi Rita,Nós vivemos em uma sociedade,então já nascemos escrava do sistema.Sistema familiar,sistema da escola,sistema do trabalho,enfim nós somos prisioneiros do sistema,porém,eu tento colocar a minha marreta em ação todas às vezes que me sinto sufocada.Mando marretada para todos os lados,que se dane o sistema,não estou nem aí pra ele.

Abraços,Lúcia
29/04/010

Nádia Dantas Furlan disse...

E somos sensibilidade, ternura, doçura, encanto, sabedoria... mas temos um longo caminho a percorrer.
“Eu te ajudo. Você me ajuda.”
Sonhar sozinha é apenas um sonho e sonhar junto é o começo da realidade.
Bjs

Daniela Marchi disse...

Lindissimo Rita, como tudo neste blog. Obrigada por espargir cultura e bençãos pela internet. Parabéns por ser mulher. Parabéns a todas nós. Beijos.

Patrícia Bracale disse...

Tudo vai e volta,
Se interromper o fluxo,
Que tal uma marretada com energia...
Marretadas de amor e flor pra todos.

b disse...

Indo prá loja de ferragens comprar marreta.
Deu-me certas coragens...
Que texto inteligente, diferente, fora de lugares comuns!
Parabéns!

Louise Oliveira disse...

Nossa bato palmas para esse texto, amei, é muito refletivo, meus parabéns!
Gostei muito do seu blog, voltarei sempre.
Bjs! Lu

Sylvio de Alencar. disse...

Discordo frontalmente com o Jorge ao vê-lo usar uma frase que muitos acham correta, mas tudo bem.
De minha parte, quero uma mulher do meu lado, em todos os lugares: na cama também.

Precisamos de todos numa hora em que as escolhas são importantes.
Andemos juntos, pois precisamos muito uns dos outros.

Bjs.

Renata Rimet disse...

Amiga, que texto delicioso, ahh como é bom ser MULHER, sexto sentido, multi funções, sensibilidade a flor da pele e uma força para derrubar as barreiras que tentam contrapor nossos caminhos...sempre de forma sutil, nada de pegar a marreta com brutalidade, somos fortes sim, delicadas, emotivas...eu lhe estendo a mão, eu te ajudo, você me ajuda...que paredes existem quando compreendemos a dimensão do nosso próprio universo?

Amei!!

Romeu Fagundes disse...

Seu blog e seu texto sobre a liberdade da mulher está muito bom qualitativamente. Creio que a "marreta" é a independência econômica. Mulher dependente economicamente do homem vira escrava mesmo involuntariamente. Se ela resolve levantar asas e voar para onde vai? A "marreta" minha querida é nunca nunca desistir de uma profissão para um casamento.

Malu disse...

Rita, passei para deixar-te um convite para que conheça um novo espaço, porém de grande importância. Se for possível,divulgue.
Grande abraço

http://in-percepcoes.blogspot.com

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Oi, Rita. Passei aqui pra conhecer seu blog - muito bacana - e pra agradecer a visita e o comentário no meu. Também estou te seguindo. Um beijo, vamos nos falando.

Ana Lucia Franco disse...

Rita,

sacudindo as grades das prisões psicológicas em as mulheres se encarceram. Tem hora que dá vontade de virar para uma dessas e perguntar: qual é?

ótimo texto..