CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


quinta-feira, 15 de abril de 2010

ADEUS CANTIGA DE NINAR



Rita e sua boneca




Adeus cantiga de ninar.

Adeus minha cantiga de ninar
Que embalava uma criança
Cujo sono engolia com soluços.

Adeus minha cantiga de ninar
Adeus meus sapatos de verniz
Com fivela no laço de gorgorão.

Adeus minha cantiga de ninar
Que cacheava os fios
dos meus cabelos avermelhados.



Adeus franja
Que cobria a minha testa


E enfeitava o meu pensamento.

Adeus minha cantiga de ninar
E a minha sai godê
Enfeitada com bolinhas purpurinas.


Adeus cós da minha calça
Que escorregava da minha cintura fina.
Cintura de pilão.

Adeus minha mochila com alça
Que carregava meus livros
De tempos e de fantasias .


Adeus aos roliços... O que eram roliços
Já não posso mais dizer.
São musculares agora pela força da existência.

Também, qual a diferença
Entre o firme e o tenro
Se rói os ossos o sentimento?

O músculo forte do batimento
Está flácido, batendo cabeça
No divã de uma cantiga.

Adeus!
Vá-se lá minha cantiga.
Virou tormenta a pobre.
Nina não sei onde.
Se é que ainda nina, não sei...

Adeus?
Adeus ao adeus!

Ela foi embora, a minha cantiga.
Louvado esse adeus!
Acordei para sempre.
Que me cantem todos
Uma cantiga de alvorecer!



Rita lavoyer











3 comentários:

jhamiltonbrito..blogspot.com disse...

...A SAIA GODÊ. acho que vc rodopiou muito e caiu o a...mas deu charme à poesia. Enfim, um ligeiro senão em um texto seu.
Eu cantaria , por exemplo : Love, is the manny splendored thing ou unchained melody.

jhamiltonbrito..blogspot.com disse...

...ou melhor: " a minha cantiga de ninar, sai godê" é isso.Não caiu o a da saia...desculpe.

Rita Lavoyer disse...

Ah, é verdade José Hamilton! Faltou um "a" na saia godê