CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

sexta-feira, 4 de junho de 2010

QUAL O TAMANHO DO SEU MUNDO?



Então, é desse modo que a gente diminui ou aumenta o tamanho do enredo.

A mulher cuidava das suas plantas com tanto carinho que conseguiu humanizá-las. Estavam por todas as partes, cantos, estantes e paredes dentro de casa. O espaço, dentro da casa, era imensamente grande para confortar as centenas de espécies cultivavas.
Os remedinhos, as aguinhas, os adubinhos, o ventinho, o solzinho e tudo mais de que as plantinhas necessitavam eram lhes dados em doses e horários corretos. Isso era sistemático.
Carinhos, conversas, conforto...
Nada faltava àquelas grandes plantinhas.
Lindas de viver elas eram e estavam.

O amor daquela mulher pelas plantas fez com que ela pensasse assim:
“Já que estão lindas aqui dentro de casa, mais lindas e vistosas vocês ficarão se eu as colocar do lado de fora. Lá há mais brilho do sol, vento corrente que nunca para de ir e vir... Poderão sentir as águas das chuvas e conhecer o que é o sereno da madrugada. Vou sentir muito, aqui dentro de casa há espaço e tudo o que há de bom eu lhes ofereço, mas julgo que lá fora vocês serão mais felizes, porque desejo vê-las cada vez mais belas e fortes.”

A mulher explicou exatamente nesses termos a cada uma das plantinhas dela.

Foram dias arrastando vasos, arranjos, jardineiras, correntes e suportes de dentro da casa para fora. Mas nada se ajustava.
Colocava-se os vasos, retirava-se as jardineiras. Os suportes atrapalhavam as correntes. Tirava-se um atrapalhava-se outro. Desenroscava daqui, enroscava dali.
Pendurava uma plantinha aqui, misturava com outra espécie com a qual não podia ter contato. Não podia ficar, mudava tudo novamente.
Foi muito difícil encontrar, do lado de fora da casa, espaço suficiente para tantas flores, arranjos, folhagens, palmeiras, enfim, para aquelas espécies não havia suficiente espaço do lado de fora da casa.

E nessa luta de tira e põe, muda e coloca novamente no lugar as plantas, apesar de continuarem recebendo o mesmo carinho e dedicação daquela mulher, começaram a sentir a diferença da temperatura, da água da chuva, do sereno da madrugada...
Algumas secaram, outras murcharam e derrubavam suas folhas com frequência. As espécies que caíam em cachos também não conseguiam cachear mais.

O desconsolo tomou conta do coração daquela mulher que, parada diante dos vasos, cuidadosamente colocados do lado de fora daquela casa, cruzou os braços, respirou fundo e chorou.
As lágrimas lavavam os olhos e a face dela.

Tamanha sua tristeza, não pôde impedir que sua dor tomasse som. Ouvindo os soluços, o filho pôs-se diante dela e disse:
_ Mãe, guarde suas plantas novamente dentro de casa e cuide delas como antes, assim voltarão a ser como eram. Aqui dentro de casa, mãe, há mais espaço do que aí fora.
Com os olhos lavados de mãe respondeu:

_ Filho! Elas têm que continuar aqui fora. Se eu guardá-las novamente tirarei delas a oportunidade de “tentarem” sobreviver. Recolhê-las, reconfortá-las não as farão lindas e vistosas novamente. Continuarão aqui fora e tudo que precisarem para sobreviver eu lhas darei, como sempre dei. Do que lhes faltar, terão que buscar sozinhas no espaço em que cada uma se encontra.
As estações passaram...

Floriram novamente, cachearam e cada uma foi tomando forma para se adequar ao lado de fora da casa. Logo, o espaço tornou-se o tamanho ideal para que elas sobressaíssem entre si.

_ Mãe, como a senhora, sem mudar nada de lugar, conseguiu com que as plantas coubessem onde não cabiam?

_ Filho! Eu sempre tive amor, carinho e disposição para cuidar delas. Se eu as tivesse guardado dentro de casa, elas voltariam a ser como eram antes de virem para os lugares onde estão. Porém, se em outra ocasião elas necessitassem sair, talvez não aguentariam a mudança de ambiente tamanha a fragilidade de suas belezas e, provavelmente, morreriam para sempre.
Hoje, meu filho, elas estão bem encaixadas em seus lugares e fortalecidas também. Se eu quiser mudá-las de um lado para o outro, de dentro para fora, elas certamente resistirão. Portanto, quando eu estiver indisposta, sem condições de cuidar delas, certamente não sentirão a minha falta, pelo contrário, estarão vistosas e fortalecidas para me agradar e ajudar a passar os meus dias.

_ Mãe, existe um espaço para cada coisa?

_ Não, meu filho. Existe um mundo em cada espaço. O mundo, meu filho, é do tamanho que nós necessitamos. Mas, temos que sair a procura dele no tempo certo para encontrarmos o espaço adequado ao nosso perfil. Se sairmos e murcharmos, há de se ter humildade de dizer, isso, enquanto os nossos criadores tiverem disposição para nos levantar tantas vezes quantas forem necessárias. Tudo a seu tempo, meu filho, mas nunca fuja do seu, senão você não fará a sua história.

Rita Lavoyer


7 comentários:

lucidreira disse...

O ensinamento é perfeito, agora é só esperar para que cada um ache o seu mundo.
Abraço

Dora Regina disse...

Rita, o mundo é do tamanho dos nossos sonhos...Acho que é por aí...
Grande abraço! Bom fim de semana!

Patrícia Bracale disse...

Espaço e tempo é conforme criamos.
DeuS é infinito (espaço)
é eterno (tempo)
Eu decido.

Lúcia disse...

Oi.A mãe do garoto já está dando a dica,quando ele sair de casa,cuidado! O mundo lá fora é assim:você tem que saber se cuidar ou morre,literalmente.Eu não estarei lá para te socorrer.

Sábia dica,Ritinha.

Abraços,Lúcia
05/06/010

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE
RITA


ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE BLADE RUUNER ,CHOCOLATE, EL NAZARENO- LOVE STORY,- Y- CABALLO, .

José
ramón...

VELOSO disse...

PARABENS!!! Um texto com muita sensibilidade, sabedoria e ternura!

Daniela Marchi disse...

Rita: Lindo seu blogue, fantásticos seus textos. Adoro! Beijos. Dani.