CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

sábado, 2 de outubro de 2010

SONHO DE BONECA

Imagem da internet


A boneca foi apresentada a uma menina muito mimada. A menina mal a olhou e num canto a boneca encostou.

O brinquedo era um encanto. Sabia rir, sabia chorar e trazia um brilho especial no seu olhar. A criança, que mal sabia a própria idade, disse que aquilo era um brinquedo careta e passava o dia inteiro, na frente do espelho, gastando a sua vaidade.

E o tempo passou...passou... e a boneca com tristeza, cantou chorando assim:

“ Sou uma boneca, preciso ser usada, e amada... e amada...
Tire-me daqui, desta caixa apertada. Eu sou um brinquedo, não me deixe abandonada.
Por favor... Por favor... Pegue minhas mãos, vamos rodopiar... brincar de escolinha e de cozinhar...

Venha agora! Venha agora! Me tome em seus braços, penteie os meus cabelos e coloque um grande laço.

Viajaremos pra lua, pros mares e pro sol. Te chamarei de Baby, me chamarás de Doll.

O game é muito bom, mas eu sou milenar. Se eu ainda existo é porque sei ensinar.... e mexer com a imaginação... Eu sou muito viva, tenho alma e coração.

Quem me inventou não estava brincando. Ele me projetou pra você crescer amando... Eu sou um bebê feito pra sua idade, brincar de boneca é sua realidade. O meu choro é brincadeira, minhas risadas pura verdade.

Brincar de boneca não é tempo perdido. Se brincar comigo não correrá perigo.

Brincadeira divertida não é tempo roubado. Brinque comigo agora, não arrume namorado.
Chame um coleguinha, aquele seu vizinho, ele brinca comigo e você com o carrinho. Com brinquedo pode fazer troca, isso não importa.

Essa brincadeira vai lhe valer a pena. Brincadeira saudável ciência nenhuma condena.”

Não adiantou. A boneca cantou, cantou. Chorou, chorou. E, trancafiada na caixa, continuou.
A menina? Hum... A menina se arrumou. Pôs perfume, salto alto e jeans transado. Foi para o shopping ver vitrines e arrumar namorado.

Ficou... Ficou...

Ficou aborrecida, voltou pra casa e chorou.

Tirou os sapatos apertados, pôs de lado o jeans transado e botou o seu baby-doll . Abriu o armário e avistou a boneca. Com um sorriso largo, aquela boneca encantada, o coração da menina tocou.

Daquela caixa apertada, saiu um anjo da guarda que a menina abraçou e beijou.

Brincaram a noite inteira e ao lado da boneca a menina adormeceu.
No dia seguinte, após uma noite encantada, uma história infantil aconteceu.


Feliz dia das crianças.


Rita Lavoyer

5 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

Rita, não é sempre que se vê tanta criatividade.
Você conseguiu dar alma a uma boneca, tamanha foi a sensibilidade com que escreveu!

Beijos,
Jorge

jhamiltonbrito.blogspot.com disse...

Quantos de nós em determinados momentos das nossas vidas esquecemos das nossas bonecas e quantos tiveram, ainda,a oportunidade de reparar o erro.
Que as minhas me perdoem...

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Muito bacana este seu sonho de boneca, Rita. Uma espécie de fábula, criativa e muitíssimo bem contada. Um beijo pra você e obrigado pelo mais que generoso comentário no meu sítio.

Patrícia Bracale disse...

BRINCAR DE BONECA É TUDO.
MEUS MENINOS BRINCAM E É LINDO VER O CARINHO QUE ELES TRATAM SEUS BONECOS, DÃO BJO, PÕE NO OMBRO PRA NINAR E DORMEM ABRAÇADOS...
ISSO É APRENDER A AMAR.

Débora Bee* disse...

Rita, vc visitou meu blog há um tempo atrás, lembra-se?
Vc repaginou o seu e eu repaginei o meu...depois dê um pulinho por lá, ok?
Beijos e parabéns, quero continuar lendo seus posts...