CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

quinta-feira, 29 de março de 2012

ESTRANHOS ÍNTIMOS







Era íntimo aquele comportamento estranho que um tinha pelo outro.

Estranharem-se se tornou rotina entre ambos, tão estranho um para o outro era.

Já era familiar tamanha estranheza sem saberem dela a causa, mas reuniam os efeitos para se estranharem cada vez mais.

Um disse: Eu nem sei por que!

Outro disse: Eu nem sei por que!

Inventaram um não gostar e passaram a gostar do não gostar. Gostando-se cada vez mais daquela intimidade estranha que um proporcionava ao outro. Gostavam-se sem saber o porquê. Muito estranha essa estranheza entranhável.

Já aceitavam o estranho e sentiam a falta dele quando estranhamentos não havia no íntimo daqueles íntimos.

Queriam se estranhar. Precisavam se estranhar até que um no outro agredisse o ponto mais íntimo desses intimistas.

Provocaram atracarem-se e foram.

Passaram um pelo outro, mas não se olharam. Calados, cada um seguiu o seu rumo, matando-se intimamente, para que cada um daquele estranho crescesse seguro no íntimo um do outro.

Rita Lavoyer é Membro da Cia dos blogueiros

3 comentários:

Célia Rangel disse...

Seriam adeptos da "solidão a dois"? Ou da latente "incompatibilidade de gênios"? Em verdade, concluo que se amavam e muito!
Bj. Célia.

jhamiltonbrito.blogspot.com disse...

Olha, assim an passant e sem exames laboratoriais, o meu diagnostico é esquizofrenia agjuda. As crônicas so os políticos possuem.

MARCIA INFANTE disse...

o ESTRANHO É O QUE REPRESENTA A ALTERIDADE.DOIS ÍNTIMOS SE OLHAM E DE REPENTE SE ESTRANHAM. TALVEZ NUNCA TIVESSEM SE OLHADO ANTES...