CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

domingo, 19 de agosto de 2012

CHEIRO DE SARDINHA



Ele equilibrava-se imponente sobre o muro.

Era o gato dos sonhos dela.

Não acontecia o que ela desejava.

Os olhos do gato não a viam.

Unhas de gato não arranhavam a sua pele.

Melindrosa, com aquele miado extasiava-se.

Sobre o muro, ele titubeava frente a lingerie vermelha que ela lhe expunha, exalando o seu perfume de loba numa alcova ornamentada com cetim.
Ele pulou do lado de lá; ela, ficou do lado de cá engolindo o seu frenesi.

Ela entristeceu-se. Rasgou a lingerie, quebrou o frasco de perfume e esqueceu-se dos banhos.

O odor de sardinha que saía das entranhas dela atraiu o gato.

Ele pulou do muro à janela, da janela ao chão onde ela se esfregava.

Ofereceu-se a ele.
Com os lambidos ela gemia.

Ele a mordeu, ela gritou.

Ele engoliu.

De repente, parou!

Soltou um miado agonizante.

Sem necropsia, restou a necrose e uma atmosfera intoxicante.


Rita Lavoyer  é m embro da Cia dos blogueiros





5 comentários:

Jorge Sader Filho disse...

'Gatos' de duas ou quatro pernas costumam ser muito perigosos...

Abraço,
Jorge

Anônimo disse...

credo, Rita! (ahahahahah)

Anônimo disse...

esqueci de assinar:
Wanilda Borghi




















Wanilda Borghi

Célia Rangel disse...

Nossa! Que mente fértil, hein Rita! Primeiro fiquei pensando no "gatinho"... ô dó do bichano; depois no "gato" jogando suas "iscas" e, pelo amor de Deus, senti o "fedor" das entranhas!! Se isso for atração... me poupe! Uma charge excelente!
Bj. Célia.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

As sutilezas e as cruezas do sexo, para bichanos ou humanos...
Excelente, Rita. Um beijo pra você.