CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


terça-feira, 29 de outubro de 2013

LIVRO ARBÍTRIO

Por Rita Lavoyer


LIVRO ARBÍTRIO




Comemora-se hoje, 29 de outubro, o dia Nacional do Livro.

Há tanto para ser dito sobre ele, mas quase tudo já está lá dentro. Livro é mistério, tanto quanto o próprio homem que o escreve, que o lê, que o vende, que o propaga das mais variadas formas.

Livro é todo aquele que também não o lê. Por quê?

Ser livro é ser composição. Ser livro também deveria ser livre. Somos livros, mas deixamos de registrar nele, muitas vezes, páginas de nossas histórias. Queremos, num sobressalto, sermos as histórias nos livros dos outros. Personagens importantes ainda, o que é muito ruim, sermos personagens nas páginas dos outros sem conhecermos as nossas folhas.

Livro também é demagogia. Há tantos!

Autoajuda. Há tantos. De piadas também! Há livros que escravizam, mas na raiz da palavra os melhores escracham a escravidão.

Ciências, Filosofia e História de todas as espécies e credos de todas as razões.

Livro é diversão: música, dança, canção e educação. Porta-retrato, brincadeira sem fim.

Livro é receita, bula, braile, catálogo e números telefônicos. Livro é mapa e já foi papel de pão, de carne e o que é pior: debaixo da ponte, colchão!

Livro é leitura em época desmedida, castigo, tortura e fogo no corpo. Livro é revolução.
Quando as folhas faltam, viram paredes até para um sadomasoquismo.

Livro é lista, registros, anotações, rascunho e até papel-higiênico!

Livro é dinheiro, dívida, passado, futuro e presente a todos os instantes. Vida e morte, começo e fim. Em muitos não há o ponto final...

Livro é passeio, viagem, locomoção! Bilhete premiado. Sem sorte ele é barco furado no Cabo das Tormentas.

Ainda vale a pena acreditar nos livros: tradicionais ou eletrônicos, tendo consciência de que todas as escolhas,neles e por eles trarão em si bons e maus resultados.

Por piores que sejam, os livros, terão sempre o seu lado positivo para alguém. Por melhores que sejam, os livros, idem: terão sempre o seu lado positivo para alguém.

 Livro é  um Ser tão imensamente humano que não cabe em si mesmo- Há heterônimos  para ele e muito mais que não haverá páginas para expressar o que de fato um livro é.

Pena, hoje, haver mais a produção de livrófobo do que de livros.

Somos livres para sermos um ou outro. A história cada um escolhe a sua!

Autoria- Rita Lavoyer é membro da Cia dos blogueiros e UBE





6 comentários:

blog do Camillo disse...

Inteiramente de acordo com sua ode ao livro. Com ele nas mãos, você se sente dono do mundo.
Um abraço
Helcio

Célia Rangel disse...

Interessante que me fixei no livro como "humano"... E assim, realmente é que chegamos a carregá-lo sempre juntinho a nós, ou de repente, por algum outro que se aproxime com segundas boas intenções passamos a cortejá-lo deixando aquele de lado... Ah! Mas, retornamos e como! Principalmente se deixou marcas e lembranças em nós. Não nos conseguimos libertar do mesmo. Difícil é libertar um bom livro. Aquele que nos encanta. Que nos sacode para acordarmos para a vida. Todos, sem exceção, sempre nos deixam uma lição boa ou má... mas impresso fica nas páginas de nossa vida! Parabéns, autora de muitos filhos - livros!
Bj. Célia.

Cidadão Araçatuba disse...

Vai mais longe ainda. Livro da vida, livro da cozinheira, um leva a vida no banho maria, outro ensina a fazer feijão.
Sejamos páginas que instruem, modelos que possam ser seguidos para preencher o nosso caminho com realizações. Ou não!
Abração!

Jorge Sader Filho disse...

"Oh! Bendito o que semeia
Livros... livros à mão cheia...
E manda o povo pensar!
O livro caindo n'alma
É germe — que faz a palma,
É chuva — que faz o mar." Castro Alves

Aquele abraço,
Jorge


Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Pois então, que nada nos livre dos livros! Parabéns pela ode a este amigo certo. Um beijo, Rita.

Patrícia Bracale disse...

Livro amigo.
Amiga livre...