CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura


sábado, 16 de fevereiro de 2013

SAGU


 

Se um dia eu comi algo tão ruim, pior do que o sagu, o próprio sagu incumbiu-se de alzheimerizar o meu paladar.
Conheci o tal do sagu quando era criança. Era um dos doces preferidos da minha mãe. Ela dizia que comia isso, o sagu, na merenda da escola.  Eita, que a década de 50 foi difícil mesmo para as crianças! Ter que comer sagu na merenda escolar e ainda agradecer pelo fato de ter o que comer, isso – o sagu- é até um pecado! E era servido com vinho às crianças.
Sempre torci o nariz para esse doce. Sagu e fígado de boi, ou de vaca já que não dá para saber o sexo do bicho morto, me causa mal estar.
 Um dia, almoçando em um restaurante que servia p.f. sobremesa: adivinha !!!!
O meu filho foi logo na coisa. Apareceu na minha frente com um potinho da gororoba.
 
_ Quem mandou você pegar isso, menino!? Por que não pegou uma "taiada" da melancia, hã?
_ Delícia, mãe! Que é isso?
_ Delícia uma ova! Joga fora! É sagu!
Ter filho desaforado é um dilema! O menino voltou à mesa de sobremesa e pegou outro pote. Comeu feito um morto de fome. Sou uma mãe pecadora.
Vira e mexe me pede para fazer sagu. Então, passeando pelos corredores do supermercado vi  o saquinho de bolinhas e peguei para levar à minha mãe. Só levei as bolinhas para ela se virar com o restante dos ingredientes. Fominha que é, pegou a sacolinha de dinheiro, foi para o ponto de coletivo e rumou para o supermercado comprar o vinho para preparar o sagu.
Levou somente o dinheiro, porque já é conhecida dos motoristas e cobradores do coletivo, anda de graça e não precisa documentos, se acontece alguma coisa na rua vai ser enterrada como indigente.
Ela ia se lambuzar com aquela gosma, tinha certeza! Pegou a garrafa de vinho, enfrentou a fila, aquela especial com menos de 10 volumes, que geralmente é mais longa do que as demais filas e, chegou ao caixa  pediram-lhe o RG.
_ Pra quê!? – ela respondeu com pergunta e eu comecei a desenhar a cena com ela, me contando aos berros.
_ É lei, senhora! A senhora precisa apresentar o RG para comprar qualquer bebida alcoólica!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKkk
Fui escutando os berros dela  imaginando a cara da moça do caixa. Conhecendo a peça que ela é, tenho certeza de que ela xingou a funcionária do supermercado e deixou a garrafa para algum outro funcionário colocá-la no lugar.
_ Você me trouxe o sagu(as bolinhas), mas não trouxe o vinho! - berrava pra mim.
_ Pode fazer com groselha, mãe, fica bom também. Tentei enganá-la com uma mentira mal feita.
_ Que groselha! –aos berros- quando eu era criança eu comia sagu feito com vinho. Só como sagu feito com vinho! Agora que sou velha vou comer com groselha? Aquela (¨¨%$#@! )   me pedir RG porque não pode vender bebida pra menores!? Será que aquela burra não viu que a minha cara tem mais de 100 anos!? Vai lá comprar o vinho pra mim agora que eu quero comer sagu.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKK
_ Imagina – eu respondi – eu não tomo vinho, vou comprar isso pra quê?
Toquei minha vida e nem dei pelotas pro vinho dela! Primeiro telefonema de hoje:
_ Traz meu vinho que eu quero fazer sagu!
_ Tá! A senhora quer que eu leve alguma coisa pra senhora, mãe!?
_ O vinhooooooooooo!
Isso foi às 9h, agora são 23h44. Pobrezinha da minha mãe. Foi dormir com vontade do doce!
Deus do céu! Como existem filhos ruins nesse mundo!  KKKKKKKKKKKKKK
 
 
Amanhã, prometi que eu vou gostar de comer sagu. Os meus filhos e a avó também vão comer. 
Rita Lavoyer
 
 
 

4 comentários:

Marisa Mattos disse...

kkkkkkkkkkkkkk....voce com seu sagu e eu com as benditas azeitonas...quando puder dá uma fuçada lá no meu blog e veja meu texto "Jabuticas" e vai ver que tbm sofri a mesma frustração quando criança....kkkkk...adorei o texto ....

Célia Rangel disse...

E, vivas ao sagú... que muito comi... com minha avó,minha mãe e meu irmão... sempre com groselha... já o vinho... kkkk... meu irmão 'roubava' do galão 'Sangue de Boi' do meu pai... e, fazíamos a festa! Contentávamos com pouco...
Bjks. Célia.

Rita de Cássia Zuim Lavoyer disse...

Vou contar outra história, viu Célia e Marisa. Levanto cedo pra comprar o bendito vinho e o levei para o futuro doce.
"Veio fazer o quê tão cedo aqui?"
" Vou abrir com quê?"

Eu lá me lembrei do sacarrolha?

Bendito seja o sagu!

Célia Rangel disse...

Ai... ai... ai... Rita!! Só você, hein!! kkkk... Sequer um vizinho amigo? Ops, ou vizinha, né...
Bjks, Célia.