CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura


domingo, 28 de junho de 2015

BIOGRAFIA NÃO AUTORIZADA DE UM AMIGO EXCÊNTRICO

   
Parabéns, meu amigo, pelo seu aniversário.



Tenho um amigo que eu o considero excêntrico, não no sentido de esquisito, de forma alguma.

Excêntrico no sentido de excêntrico mesmo. Surgindo uma dificuldade, quem me vem à mente: o excêntrico. O meu amigo excêntrico!

Ele é uma figuraça!

Precisei de um material no campo jurídico. Onde eu o encontrei? : - Com o amigo excêntrico!

Outro dia era sobre educação e o livro, tinha certeza, encontraria com ele: - o excêntrico! Acertei na mosca, digo: no amigo!

Não dá outra. Precisando de material sobre política, filosofia, educação, religião e literatura marginalizada: o meu amigo excêntrico tem tudo isso.

Passei um e-mail e não demorou nada, lá veio ele, com duas sacolinhas cheinhas de livros: 11 no total.
_ Meu amigo, eu te gosto tanto que você nem calcula!

Meus filhos, para bisbilhotarem, atacaram os livros antes de mim, quando... a criança gritou:

_ Mãe, o seu amigo é rico!???

Fiquei boquiaberta! Não acreditamos, a família toda – marido, filhos e cachorrinho, no que encontrávamos a cada passagem de páginas dos livros que ele me emprestou. Nós, pobres mortais, marcamos páginas com régua, dobramos, fazemos orelhas, colocamos papelzinho entre uma página e outra, até ramona já use; mas o meu amigo não: marcador de páginas dele é nota de dinheiro.

Levando-se em conta as datas das publicações dos livros dá para entender as notas de Cruzeiro, Cruzeiro Novo, Cruzado, Cruzado Novo, Cruzeiro Real, e... Real, a moeda atual, nenhuma (acho que ele as retirou antes de emprestar o livro).

Brincadeiras à parte, o meu amigo não e excêntrico apenas por guardar notas de dinheiro antigo dentro dos livros; ele é excêntrico porque lutou por um ideal e acredita, ainda, na força da honestidade em prol do ser humano cuja energia movimenta o eixo da Terra.

  Ele é excêntrico porque acredita que o bem vence o mal, apesar de não ser nenhum Príncipe de conto de fadas, mas se ele fosse um anão seria o Zangado da Branca de Neve!

 Ele é excêntrico porque é grato aos que ainda erguem, com a mesma garra de outrora, a sua bandeira de luta; mas se oportunidade houver, ele mete o mastro na cabeça de muitos.

Ele é excêntrico porque não se acautela quando tem que descer o seu vocabulário espanhol no lombo das inconsciências interesseiras. Não traz caráter de pessoa que se aproxima de outra para tirar proveito algum.

Ele é excêntrico porque é objetivo, não blasfema nem injuria. O mesmo ideal que ele propagou quando a parteira lhe bateu na bunda, ainda lhe está na boca e nas suas ações sem mudar uma palavra. Eu sei disso, o primo dele, o Pablo, artista profético, já tinha registrado tudo isso em uma tela. Qual tela eu não sei, mas que pintou a carranca deste primo que nasceria por estas terras, ô se pintou!

Ele é excêntrico porque o que ele tem de “persona” não é nada casual ou arbitrário, mas com uma sorte danada, conseguiu casar-se duas vezes, contrariando a própria convicção de que milagres não existem.

  Refleti, imaginando-o dentro de quantas fadigas ele amargou, ter que assistir a moeda da sua Pátria se transformar em “nada” numa simples virada de página, num período em que ele, eu soube, lutava contra uma ditadura que desconhecia do País do futuro as necessidades.

  Deixar as notas antigas dentro das páginas dos livros é uma delicada forma de ele não se esquecer do quanto trabalhava para receber um papel que no outro dia – a próxima página da sua vida- aquele dinheiro já não tinha mais valor nenhum.

Deixar as notas antigas dentro das páginas dos livros é uma maneira indelével de se lembrar das misérias das vidas no entorno da sua, da atmosfera pesada que respirava com a família e os amigos.

Deixar as notas antigas dentro das páginas dos livros é uma forma que ele encontrou de voar para longe, para além do amanhã, onde saberá mais do que hoje, entendendo que o “saber pouco” não deverá ser esquecido.

Deixar as notas antigas dentro das páginas dos livros é transitar sobre paralelas e entender que é preciso, muitas vezes, deixar de ser sério, porque ele, o meu amigo excêntrico, já não tem mais tempo para si mesmo.

Deixar as notas antigas dentro das páginas dos livros é permitir-se ser criticado, criticando na mesma proporção, inclusive a mim, numa amizade que me faz crescer admirando-o por sua filosofia, que me permite discussão sem ter que concordar com ele, nem ele comigo porque, apesar de nossa animalidade latente: Nós somos lindos no último!Conhece desta, que o apresenta, as falhas, mas não me espezinha os sentimentos.
Corintiano de carteirinha, sabe de cor as notas do hino do seu time do coração, porque o meu amigo excêntrico tem o passado como bandeira e o presente como lição.

Ele é  Luladilmista, mas é meu amigo; então, o que é que tem?  ELE USA ÓCULOS E EU TAMBÉM ,

Diz, fazendo o sinal da cruz, que é ateu graças a Deus, e  deve ao Criador  definir-se agnóstico. Tenho um amigo excêntrico, graças a Deus!

Não deixando se dominar pela "grana", meu amigo esqueceu suas notas dentro das páginas dos livros para lembrar-se do quanto é caro continuar com suas virtudes.

Ter um amigo excêntrico, assim, é acreditar que todo passado valeu a pena e nele se sustentará muito futuro.

Respondo aos meus filhos:

  - Sim, meus queridos, eu tenho a honra de ter um amigo de muitas riquezas.

  Confesso que não tenho vontade de devolver-lhe os livros.
Com muito respeito: Obrigada,Ventura Picasso!

Parabéns, meu querido amigo, pela data especial de sempre e para sempre, como a de hoje.


P

7 comentários:

Célia Rangel disse...

Ah! Que belo amigo! Adorei ler! Sugestão: faça uma montagem da "carinha dele" em uma nota de $$... acho que ai conseguirá...
Abraço.

Rita Lavoyer disse...

rá rá rá, Célia! Pensei mesmo em fazer a montagem, mas mesmo assim não conseguiria publicar, é a configuração do meu blog que não está permitindo. Obrigada por ler meu o amigo

Ventura Picasso disse...

Célia e Rita - vcs são suspeitíssimas comentando ou escrevendo, sobre uma biografia não autorizadas; uma coisa é certa se vcs me encaixarem numa nota de papel moeda brasileira e deixar a frase "Deus seja louvado" serão processadas na forma da lei.
Obg. dupla lindíssima.

Patrícia Bracale disse...

Eita, que beleza.
Isso que é riqueza,
Ver esses lindos amigos
sendo amigos.
Rita você brilha literalmente onde chega.
E o perfume do Picasso chega e fica na nossa alma.
Sou feliz em conhecer vocês.
Dupla poderosa

Rita Lavoyer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Bacana, Rita. Parabéns ao seu excêntrico amigo. Mas tente mudar a excentricidade política luladilmista dele, por favor... Abraços!

Rita Lavoyer disse...

Oi, MArcelo! Não dá , ele já nasceu enraizado no assunto. É do bem, pelo menos para mim kkkkkkkkkkkkkkkkkkk