CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Por que a Literatura no vestibular?

http://issuu.com/pedrocesaralves/docs/jornaldoprof020  


acesse o site acima para ler a matéria no Folhetim Araçatuba e Região

                Não há como negar que a Literatura é arte. E ela se extrapola  quando entendemos que pode haver  várias visões em um olhar e sobre ela lançamos luzes.   Por ser viva, a Literatura não pode aceitar-se uma  única definição, exclusivamente objetiva, que determine sua função, esgotando-a como sendo arte e pronto!  A sua grandeza consiste em possibilitar-nos  torná-la útil ou não às nossas necessidades, satisfazendo-as  ou não. Carrega em si o direito de não ter que justificar  suas verdades  quando faz da vida ficção, libertando-se do compromisso com as provas.
                Mas a Literatura pode e deve ser explorada como recurso educacional,  um meio gostoso  de proporcionar ensinamento, tornar o homem mais instruído  e situado em seu tempo e espaço, conhecer as histórias do passado, supor as do futuro e ultrapassar,  desbravando,   a subjetividade do autor para alcançar a realidade da obra ficcional, explorando-a e se satisfazendo nela.  Por que Literatura na escola?
                Ensinar as funções da linguagem aos alunos não é difícil. Torna-se prazeroso quando eles, entendendo-as , dialogam com o emissor e degustam dele a mensagem, fazendo-se receptores dela.  Bem assimiladas, o estudante chega com mais preparo  à disciplina Literatura.  
                Há alunos  que afirmam  não gostarem  de Literatura e que estudar isso não é importante para as vidas deles.   Numa discussão sobre isso, em sala de aula, em que  se argumentam os prós e os contras, sem perceberem , os jovens estão desenvolvendo e  promovendo seus próprios discursos. Como exemplo de produção literária não tem nada melhor. Explicar que o autor de romance de tese, de poesia, de uma canção  compostos nos séculos passados e que são, ainda, estudados e discutidos até hoje, fazendo com o comportamento  deles  perante a Literatura uma analogia é, além de muito produtivo,  um  excelente exercício de cidadania que vivifica a palavra, que vivifica o grupo,  que vivifica os sonhos, que vivificam o homem.
                Produtivo porque nós pegamos o gancho e vamos discutindo os porquês da Literatura e sua importância, razões pelas quais ela é solicitada nos vestibulares de todas as universidades.  Apontamos alguns pontos essenciais que devem ser observados  numa obra indicada para o vestibular:
                - Em qual época  a obra foi escrita/publicada, qual a posição política-social que o país vivia e  qual era a visão do narrador sobre o mundo, sua perspectiva, associando a obra à época;
                - A intertextualidade da obra com outras disciplinas como: História, Geografia, Filosofia, Português entre outras;
                -  Em qual movimento literário a obra se enquadra;
                - Qual o plano narrativo, o foco principal;
                - A  relação do personagem com o meio em que ele vive e quais  efeitos essa relação causa no seu estado físico, psicológico e social.  
                Conseguindo observar esses elementos numa obra literária o leitor entenderá aquela sociedade retratada, situando-se para fazer análises, comparações  e concluindo  através das visões do seu olhar sobre o mundo e sobre si mesmo.
                A Literatura brasileira, por exemplo : a da Geração de 30, tem excelente material para despertar-nos  cidadania.    Ela mostra, denuncia os desmandos sociais, mas compete ao homem mudá-los.  Ela toca onde dói.  

                Por enquanto é isso.
Haverá outras publicações sobre o assunto.
Rita Lavoyer

Um comentário: