CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

domingo, 30 de novembro de 2014

E AI, PESSOA!

Ao poeta, pelos 79 anos de seu falecimento


E AÍ, PESSOA!

E ai, Pessoa!
Foste, mas deixaste tantas marcas em mim.
E ai, Pessoa!
Nas pessoas que és procuro-me,
Encontro-te esmiuçado,
Imensamente grande, esmiuçado.
Por estes homens que registras
Escreveste histórias,
Compuseste poemas...
Efemérides...
Foste todos os teus em um
E um teu em todos.
Humanista,
Modernamente existencialista,
Uma telha, um tijolo:
Terra e água, fogo e ar.
És o quinto elemento em única molécula
De Inconjuntos nas infinitas sinestesias.
E ai, Pessoa!
Criaste personas, heteros e semi-heteronimos,
Com psicografias que lhes convém
Simbolista, futurista,
Foste todos os sonhos do mundo, o nada...
E aí, Pessoa!
Mestre sem formação em linha reta,
Doutor com pé na monarquia,
Foste 'tantas vezes reles,
Tantas vezes porco,
Tantas vezes vil'.
E aí, Pessoa!
Pastor Amoroso desta língua que nos roça,
Inventaste borboleta na janela
Por saberes justa a natureza.
E ai, Pessoa!
Sobrevivente de ti mesmo
Por não saberes quantas almas tens
Fingiste tão completamente que
Arrebanhaste-me, Guardador,
Com as tuas cartas de amor ridículas,
Para as tuas construções,
que deixaste, como legado,
À arte de existir.

E aí, Pessoa!?
Por Presságio, calo-me, pois,
Sinto que é melhor calar-me.
Posso revelar-me pessoas
Nas minhas e nas tuas.
Por enquanto, necessito ser uma,
Lendo a minha solidão no que fostes, Pessoas !


-Rita Lavoyer

3 comentários:

Célia Rangel disse...

"Pessoa Rita" - bela e significativa homenagem em seus versos a ele que sempre nos contagia. Fonte inesgotável de inspiração.
Abraços.

Rita Lavoyer disse...

Bom-dia! Célia! Obrigada pela leitura, sempre muito importante e significativa neste blog.
Abração!

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Fernando, o poeta em Pessoa. Esse não tem alma pequena, não. Bela homenagem, Rita. Abraços!