CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

O BANQUETE DO CAMALEÃO


 

 
O Camaleão convidou o Porco  para um banquete.

No caminho, alcançou-lhe o  Macaco  que  perguntou rapidamente:

- Aonde vai, senhor Porco?

- Ao banquete do digníssimo Camaleão – respondeu-lhe.

- Cuidado! Abra seus olhos, senhor Porco. Lembra-se com qual cor o Camaleão se apresentou quando lhe fez o convite?

Sem esperar  a resposta, o Macaco  distanciou-se. Vinha, correndo, o Rato, e perguntou:

- Aonde vai, senhor Porco?

- Ao banquete do digníssimo Camaleão – respondeu-lhe.

- Cuidado! Se não ficar atento, o Camaleão lhe passará a perna, senhor Porco.

Correndo, o Rato desapareceu. Vinha atrás, voando,  o Pombo-Correio  que lhe fez a mesma pergunta e o alertou sobre a indigestão que poderia sofrer, seguido da Raposa e do Gato.     Os dois o advertiram de que aquele convite não cheirava bem e ganharam a frente.  Uma Perereca saltitava arrastando sua peruca.

O senhor Porco não deu-lhes  importância. Aproximou-se, voando, o Urubu.

- Senhor Porco, pode dar-me um minuto?

 - Claro que não, Urubu.  Fui convidado pelo digníssimo Camaleão para um banquete  e não posso me atrasar.  Não me siga. Não estou autorizado a levar acompanhante.   Sente este aroma maravilhoso no ar? Suponho que  sejam os preparativos .

- Senhor Porco, não sou convidado para festas, as minhas refeições têm sempre o mesmo cheiro, mas se fosse o senhor, desistiria de ir  a esse banquete para conversar comigo.

O senhor Porco, indignado, respondeu-lhe:

_ Sai pra lá, bicho  agourento.  Diz isso porque está com inveja por não ter sido convidado. É por isso que só lhe jogam as sobras. Esta me atrasando o percurso. Acho que já estou chegando. Vê, é logo ali, vejo luzes, risos e muitos reunidos ao redor da mesa.

- Mesa? Esta vendo muito alto, senhor Porco. Eu posso ver por cima ...

Aproximando-se, o Porco viu  aqueles que o ultrapassaram,  alertando-o sobre o anfitrião, comendo num único cocho. Os animais, constrangidos com a chegada do Porco, diziam ao Camaleão:

- Tome cuidado com o Porco, ele é perigoso, amigo! Veja,  veio em companhia do Urubu, esses tipos não cheiram bem. Sondam-nos, esperando a nossa queda.

O anfitrião chamou  o Porco para ocupar o seu lugar no banquete. Ao Urubu não foi feito o mesmo convite. Ao aproximar-se,  causou-lhe repulsa ver as partes dos seus iguais,  como ingredientes daquela feijoada, sendo devoradas pelos convidados.

_ Todos vocês passaram por mim. Não sabia que viriam, também, a este banquete. – Disse-lhes, aflito, o Porco.

- Não! Não passamos! Só podem ser os quadros mentais formulados na cabeça do senhor! Está alucinando - aliviou-lhe um deles.

- E o que comem, partes da minha espécie numa feijoada, são quadros mentais que formulo?

A Perereca, arrumando a peruca, gritou: -  Relaxa e come, Porco!

- Estás a imaginar! Alguns têm o hábito de falar de si mesmos enquanto pensam,  senhor Porco. Minha dieta é macrobiótica, só sirvo alimentos naturais, o que me possibilita um bem estar-mental enorme.  -  Seduzia- o o Camaleão.  

As imagens que o Porco assistia ali vinham-lhe nítidas . Aborrecido, despediu-se e se retirou.  Em silêncio, somente o Urubu lhe fez companhia.
 Enquanto os demais  se esbarravam para conseguirem  as últimas  gotas da feijoada, o Camaleão , alterando suas cores, e a Perereca escorregaram e caíram  no cocho. 
 Sem terem sido notados, foram  devorados pelos famintos que se engalfinhavam.

Relaxados, reclamavam do amargo da feijoada, acusando o Camaleão de porquice, por ter muitos cabelos na comida, e de medroso, por ter fugido de vergonha do senhor Porco. 

 
                                                                                     

 

2 comentários:

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

É todo um zoológico fabular, cheio de humor e múltiplas leituras. Bom demais, Rita. Abraços.

Rita Lavoyer disse...

É Marcelo, quantos "porcos" estão sendo enganados, surrados, enjaulados para servirem de banquete a outros porcos desinformados e ainda dão presentes aos assassinos do povo:o poder.
Relaxa e goza! se a perereca começar a delatar tudo no twitter dela não terá um fim muito bonito,não!

E o povo, sendo morto para servir o povo. que contradição de benefícios!!