CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura


domingo, 1 de fevereiro de 2015

Sou sua fã


          Hoje, 02 de fevereiro, eu mudo minha idade no calendário. Nesses números que me acrescentaram o tempo, somo a eles muitos outros, de tempos que outrora vivi e outros que não alcançarei, mas lá vivo também por conseguir visualizá-los.
          Já passei por tantas e por tantos que pra  lá e  para eles  de vez em quando retorno.
          Dos rios que passaram em minha vida, muitos aumentaram-me a sede. Noutros em que mergulhei, sequer conseguiram matá-la, nem por isso desisti de nadar, embora não saiba a arte deste esporte, traduzo perfeitamente a metáfora da caminhada de Jesus sobre as águas. Também caminho sobre elas e quando me afundo, as muitas Ritas que há em mim auxiliam-me, embora outras já tenham desistido.
         Vivi traumas dos quais eu não me esqueço, alguns os tenho superado; outros, não. Todavia, não faço deles meus discursos, por  coisas e atos que, num momentos me foram bons, depois deixaram de ser e vice-versa. Como entendo, por serem sazonais,  não posso apoiar-me neles.
          Traumas, complexos, são tijolos que compõem minha estrutura, mas não são eles o meu alicerce. Afinal na minha trajetória há conquistas , derrotas e entendimento de que se não era pra ser  o que eu queria, é porque eu preciso aprender muito para  o que eu desejo ainda aconteça, e de verdade, afinal não estou de braços cruzados.  Não significa que eu desisti daquilo que perdi. O momento espera o amadurecendo, enquanto isso outras coisas  que busco, também estão acontecendo. Já sofri demais, sozinha,  amargando pelos meus erros que eu pensei, fossem acertos. Já vilipendiei-me numa fase para que pessoas, diretamente ao meu redor, sobrevivessem, se sobressaindo. Pensando sobre isso, hoje, concluí ter acertado, foi de coração que fiz. 

         Da família não posso reclamar muito, embora já o tenha feito, sem sucesso. O que é inconveniente a mim, é a razão de viver do outro. Ou a gente aprende isso ou muda de sobrenome, que é possível, mas de DNA jamais logo, problemas em família são genéticos.   Brigar com familiares  é causar brigas externas, é sofrer em vão, porque as piores são as internas que  se enraízam em nós. 

          Não sei o porquê  escrevo isso , postando, no dia de hoje. Não digo a data do meu aniversario, tampouco comemoro-o. Não sou dada a convenções, festas programadas fiz poucas, para o meu aniversário não me lembro de nenhuma.

          E não querendo ser somente eu, sem planejar, veio à luz meu filho no mesmo dia que nasci. Então nascemos, os dois, no mesmo dia. Naquele momento, há 17 anos,  eu já era outro ser, sem eliminar as que eu já fora.  Coincidência ou não, ele também  não gosta de tietagem no seu dia especial. Nos outros pode. Eu o parabenizo todos os dias, é um filho excelente, bem comportado socialmente, ótimo aluno e cheio de ideais.

      
    Não interessa quantos anos eu completo, minha fisionomia está mudando com o tempo, e o tempo não mente, nem eu pretendo desmenti-lo.  Às vezes sinto-me cansada. Ainda bem que canseira passa. Igual a esperança, ela vai e volta.  Claro que se os recursos sobrassem, sabendo que não faltariam àqueles que necessitam de mim, me  daria um trato, ficaria melhor, afinal, tenho certeza,  eu mereço.
         Tenho muitas certezas, porque nesta passagem eu aprendi muitas coisas, e estas certezas que trago são pertinentes  aos meus ideais, por isso devo  acreditar nelas, que são partículas de um átomo diante das minhas incertezas.  É na relação desses meus relativos com o meu absoluto que sigo ponderando nos braços da minha balança, aferida  por mim, tantas vezes a contra-gosto, muitas  vezes transbordando de prazer.
         Hoje é o meu aniversário, é 02 de fevereiro. O parabéns mais sincero que eu  tenho e mereço receber é o meu.
         Se eu não gostar de mim, não posso exigir que ninguém mais goste, principalmente que comemore o meu aniversário.

          Parabéns, Rita de Cássia Zuim Lavoyer.  Sou sua fã!

           Assinado: Rita de Cássia Zuim Lavoyer.

 

8 comentários:

Célia Rangel disse...

Associo-me ao "Parabéns", não pela data mas sim, pela pessoa que você emerge diante de nós! Faça-se feliz, pois se não investirmos em nós, quem... (?)
Beijo da Célia.

Rita Lavoyer disse...

Muito obrigada pela presença constante nos meus momentos de escrivinhança, Célia Rangel.
Você é um presente que eu agradeço sempre por ter recebido.
Abração.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Esse texto é um atestado de aceitação e de amor à dor e à delícia de ser o que é. Texto verdadeiro, escrito com a alma. Parabéns, Rita, pelo aniversário e pelo manifesto de autoestima!

Rita Lavoyer disse...

Marcelo, você é outro presente que não quero perder nunca. Obrigada, amigão!

Shigueyuki disse...

Achei ótimo como exercício estilístico. Mas não entendi nada do porquê. Acho bom não esquecer e celebrar o aniversário. Abraços.

Rita Lavoyer disse...

Oi, Shigueyuki, como vê, praticar o exercício estilístico é facinho, facinho.
Celebrar eu também celebro. Para fazer a festa é que falta o costume, por falta de exercícios anteriores.
Obrigada pela presença aqui.
Sua existência com a minha é um presente e tanto pra mim. Sou feliz por isso. Aquele imenso abraço de sempre.

Regina Ruth Rincon Caires disse...

Apesar do atraso, parabéns Rita Lavoyer!Muita saúde, muita paz, e muitas felicidades! Lindo tudo o que escreveu aqui. Abraços...

Rita Lavoyer disse...

Obrigada, Ruth. Que honra recebê-la aqui. Volte sempre!