CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura


quinta-feira, 19 de março de 2015

CID E O SEU DEDO EM RISTE

CID E O SEU DEDO EM RISTE - Rita Lavoyer

Dedo em riste sempre dá o que falar.
De risadinha em bastidores, passa à bafafá.
No congresso dos dedos-duros
quem tem que defender o seu
não pode vacilar.
O da Educação, que não tem educação,
apontou o seu dedo fura bolo
pru’ma turma que o Cun...
O Cunha tem que bajular.
Como pode, o chefe da educação,
não conhecer do seu dedo a função?
Tadinho, mostrando a sua inocência,
vomitou as verdades dos achacadores.
Na sessão das transparências,
situação e oposição mostraram suas garras,
destilando incompetências.
Um lado ameaçou retaliação,
até a aposentadoria entrou na questão.
Snif, emocionada estou!
Cid perdeu a razão:
por um dedo mal usado,
o da Educação foi exonerado.
Neste País os dedos dos políticos
são sérias questões de piadas.
Uns mostram, outros cortam
para chegarem ao promontório.
Estando lá, fascina-lhes a lambança,
e seus dedos viram supositórios.
Nessa politicalha quem não morre mata
para não largar o osso
e o CID “cidanô” certinho:
neste momento experimenta
o que significa ser povo -
- está sentindo que dedo de presidente
sempre age mais grosso.


Fonte: Cid Gomes deixa governo após discutir com deputadoshttp://www.dm.com.br/…/cid-gomes-deixa-governo-apos-discuti…

G1
O ministro da Educação, Cid Gomes, pediu demissão na tarde desta quarta-feira (18) à presidente Dilma Rousseff, que aceitou.
O pedido ocorreu logo depois de o ministro participar na Câmara dos Deputados de sessão em que declarou que deputados “oportunistas” devem sair do governo. “A minha declaração na Câmara, é obvio que cria dificuldades para a base do governo. Portanto, eu não quis criar nenhum constrangimento. Pedi demissão em caráter irrevogável”, declarou o ministro.
Do plenário, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, chegou a anunciar a demissão antes mesmo de ter sido oficializada.”Comunico à Casa o comunicado que recebi do chefe da Casa Civil comunicando a demissão do ministro da Educação, Cid Gomes”, anunciou Cunha no plenário.
Depois, a Presidência da República divulgou a seguinte nota oficial:
“Nota Oficial – O ministro da Educação, Cid Gomes, entregou nesta quarta-feira, 18 de março, seu pedido de demissão à presidenta Dilma Rousseff. Ela agradeceu a dedicação dele à frente da pasta.
Secretaria de Imprensa -Secretaria de Comunicação Social Presidência da República.
Reação do PMDB
O PMDB havia exigido a demissão de Cid depois que o ministro reiterou a sua afirmação. A expectativa do governo e da Câmara era que ele se desculpasse pelas declarações e tentasse recompor suas relações.
Ao invés disso, Cid Gomes dirigiu-se ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com o dedo em riste e vociferou: “Prefiro ser acusado de mal educado a ser acusado de achacador como ele [Cunha], que é o que dizem dele as manchetes dos jornais”.
Antes, o ministro já havia dito que quem é da base aliada do governo tem de votar com o governo. “Ou larguem o osso. Saiam do governo.”
Assim que deixou a Câmara, o ministro foi chamado para ter uma conversa com a presidente Dilma. A demissão de Cid é uma tentativa do governo de evitar que a relação com a Câmara dos Deputados se complique mais ainda, o que aproximaria a possibilidade do Planalto ver derrotados no Congresso projetos de seu interesse.

2 comentários:

Célia Rangel disse...

HAHAHAHAHAHA... Seria cômico, Rita, se não fosse trágico!!! Essa é a "PÁTRIA EDUCADORA"? Pelo andar da carruagem... estão assinando também com o "dedo"...
HAHAHAHAHAHAHA...

Rita Lavoyer disse...

E não é Célia Rangel?? Um sujo falando do mal lavado. Eta, país engraçado este!