CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


terça-feira, 22 de dezembro de 2009

SAPATOS NOVOS EM PÉS DE MORTO.


O jovem cresceu e passou a usar os sapatos do irmão mais velho.

Embora com pouca folga, bastavam-lhe.

Cresceu bastando-se, pois seu caminho era estreito.

Teve um filho e passou a usar, também, os sapatos do pai,

homem rude, agora avô.

Bastavam-lhe.

Perdeu o pai e os sapatos dele.

Seu caminho estreitou-se ainda mais.

O mais velho também se foi; com ele, os sapatos.

O estreito afunilou-se.

Precisou usar os sapatos do filho. Eram precisos.

Bastavam-lhe.

Velho, morreu.

O filho jovem e sagaz presenteou-o, para a ocasião, com sapatos novos com os quais foi enterrado.

Basta!

O caminho esta livre.

Alargue-se.


Rita Lavoyer

3 comentários:

HAMILTON BRITO... disse...

Você é a poeta mais cruel que existe, uma verdadeira serial killer...tadinho,,um sapato novo e o caixão.

Ventura Picasso disse...

Enredo poetico muito bom. Agora, enterrar defunto com sapatos novos, sendo que poderia servir a uma outra pessoa, sem dúvidas, um desperdício...

Patrícia Bracale disse...

Como cantava Raul Seixas...
Meu sapato numero 36...
E por onde passaram esses pés.