CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

terça-feira, 20 de maio de 2014

AO EXTREMO




Nunca escreva assim
num dia assim
em que o nada
tomou conta de tudo

nunca leia Bilac
... num dia assim

de noite desgrenhada e fria

é uma noite assim

... daqueles dias que demoram passar

com tudo todinho cheio de nada
cheinho de dia e de nada
de noite de dia de nada de nunca assim tão nada de tudo

Rita Lavoyer

10 comentários:

Fernando Martinez disse...

quando o nada tomou conta de tudo: nunca escreva assim

Fernando Martinez disse...

muito lindo

jhamiltonbrito..blogspot.com disse...

E por que não deu em nada?
Você queria, por acaso, tudo?
Quem tudo quer...prest'enção mulher!
Leia Bilac, sim senhora.
Sem este´papo, agora.
Quando a culpa é toda sua.
Nem a noite é culpada...
toda noite é desgrenhada
quando se é mal amada
toda noite é muito fria
pra quem não soube amar, um dia.
Coloque uma amor ao seu lado
e suas noites, serão quentes.
O todo será cheio de tudo
e no seu tudo, não faltará nada.
E quando os dois se impuserem
suas horas , da noite, serão pungentes.

Malu disse...

Quando os nadas nos aparecem sobram espaços para pensarmos nos tudos...

Beijinhos, amiga

Lúcia disse...

Oi.O que será que a faz tão triste?


Abraços,Lúcia

20/05/010

Patrícia Bracale disse...

Nada...
...Nada
Que tudo...

Lidia Maria de Melo disse...

Não precisa explicar. Basta sentir

Jorge Sader Filho disse...

"De noite de dia de nada de nunca assim tão nada de tudo".
Complicado? Não. Rita tem consciência que do nada não se extrai alguma coisa. É o óbvio.
Muito bom, poeta!

Carinhos,
Jorge

Pedro Du Bois disse...

Todo nada conduz ao tudo. ou ao todo. circularmente. Seu texto desenvolve muito bem o contexto em que se insere o vazio e o todo: desorganizado, por suposto, mas belo. Abraços, Pedro.

Caio Martins. disse...

Rita, num dia assim, numa noite assim, há que ler Rita... E sempre será uma uma surpreza que mudará tudo.

Abraços.