CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

quinta-feira, 6 de maio de 2010

DE AMANTE A ESPOSA.








Já não se achava bonita o suficiente para agradá-lo.


Olhava-se e notava sempre um defeito em cada lado do seu semblante.
Vasculhava as revistas de moda a fim de escolher aquele que lhe caísse melhor à silhueta, para a despida ocasião.


No rosto, experimentou picadas as mais dolorosas para encobrir-lhe as marcas do desespero do “por que ele não me procurou hoje?”


Nos cabelos cachos alisados; lisos ou ondulados permeavam o seu pensamento, para cada encontro de desejos e afins. No suor de cada êxtase, os cosméticos borravam-lhe a cútis.


Era amante fervorosa sem nada a desejar, apenas ele. Somente ele.
Pôs o melhor de salto alto, Ray-Ban e lenço, disfarces.
Conferia o horário em que a esposa saía.


Avistou-a, pisou fundo, acelerou ainda mais deixando-a morta naquela rua.
Não encontraram nenhum vestígio e com o amante casou-se.


Seria dela para sempre como sempre desejou. Amou-o durante o tempo das rugas menos profundas.


Insatisfeita, roubou-lhe todo o dinheiro, fez cirurgias plásticas, mudou a identidade e abriu um prostíbulo.


RITA LAVOYER









7 comentários:

lucidreira disse...

Existe pessoas assim no mundo, finge ser gente boa só pra dar o golpe fatal.
Abraço

Lúcia disse...

Oi Rita,você é uma escritora dramática.Geralmente,a amante quer destruir a esposa,mas não consegue,porém essa conseguiu e ainda roubou o dinheiro do safado.Bem feito,quem com ferro fere,com ferro será ferido. Os textos que falam sobre pai ou morte de mãe eu não gosto de ler.

Abraços,Lúcia
06/05/010

jhamiltonbrito..blogspot.com disse...

Uai, como já disse alguém, o sonho deve continuar. Essa aí do texto, pelo menos, teve a coragem de encarar. Quantas vão para o antidepressivo> a madame em pauta ainda progrediu econômicamente. Deve ter montado um belo puteiro rsss

laurinhando por ai disse...

Bom dia Rita!!!

Tenho passado mas não tenho comentado!!
Hoje, com menos pressa, deixo aqui meu carinho.
Seus textos são ótimos ,com uma abordagem interessante e diferente.
Parabéns!!!Estarei voltando mais vezes e te seguindo.
Bom fim de semana

Laurinha

Danielle Gonçalves disse...

Oi vc me enviou um e-mail pedindo minha visita ao seu blog, então, cá estou!

Nossa, fiquei chocada com esse conto...

Até mais, espero sua visita no meu!

Jorge Sader Filho disse...

Frequentamos a mesma escola, Rita.Tendências rodrigueanas. Muito bem desevolvido. Está muito bom de ler.

Beijos
Jorge

Jaki disse...

Nossa! Tive que ler de novo só pra sentir a mesma sensação que tive durante a primeira leitura: Arrepiante!
Muito forte por sinal... só fico pensando o que a "Amante Fervorosa" deve ter passado durante esses anos de plásticas e dinheiro, porém lutando com a própria consciência...

Você é como eu em meus contos, Rita. Gosto de deixar a cargo do leitor, um julgamento à personagem. Se ela é a mocinha ou a vilã da história!

Adorei!
Vou vir sempre por aqui!

Ha! E obrigada pela visita ao Breguetes da Jaki e pelo comentário!
Abraços