CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

SUPERE-SE





Eu sou pequenininha

Da perninha fina

Não uso sai curta

Porque não combina.

Os meus joelhos são grandes

Como maçaneta de portas,

Mas se as pernas são tortas

O que me importa?
A minha barriguinha é grande

Mas aqui não tem bebê.

Ela é grande mesmo

De tanto eu comer... comer... comer...

Os meus braços são curtos,

Parecem até que são fraquinhos,

Os abraços que eles dão

São sempre apertados.

Os meus braços estão sempre abertos,

Nunca estarão cruzados.

Dentro da minha boca

Tem mais aparelho do que dentes

Então eu mostro tudo num sorriso

Porque vivo sempre contente.

O meu olho direito é manco,

O esquerdo ,às vezes, me deixa na mão,

Pra que olhos perfeitos

Se o olhar verdadeiro

Trago no coração!?

Já me chamaram de orelhuda,

Careca e até branquela.

Quanta gente distraída...

Se esqueceram de dizer

Que eu também sou bem magrela.

Minha língua também é presa

Pra falar até gaguejo.

A minha voz é fina

Não nasci para cantora.

Sou cabeça dura pras regras

Ainda assim sonho ser escritora.

Vez enquando arrumo confusão

Quando vou discutir ideia

Já disse: sou cabeça dura

Não trago miolo de geleia.

Também sei quando estou errada,

quando o outro também está.

Experiência da idade...

Eu relevo e me relevam

Preservamos a amizade

Quando saio do prumo

Giro a baiana, dou piti.

Depois que a cena termina

Rodo o filme de novo

Para eu poder me divertir.

O meu “R” é retroflexo,

“Idioma” mais chique do mundo!

Sabe de uma coisa?

Eu não estou nem aí,

Das minhas qualidades

Não tenho nenhum complexo.

Além do mais eu sou assim!

Se ocê querê, ou não querê,

Fazê o quê?

Não me mande receita de mudança.

Eu só sei isso: ser Rita Lavoyer.


Assinado  : Rita Lavoyer




5 comentários:

ALAOR TRISTANTE JÚNIOR disse...

Terminar como sendo Rita Lavoyer é retornar ao início do conto: ou isto ou aquilo, tanto faz, nada explica, complica, no eterno retorno: quem é Rita Lavoyer? habitante deste corpo, com prazo de validade, em segredo, que a carrega autoritário. Quem é Rita Lavoyer? que pensa, neste efêmero corpo andante?

Célia Rangel disse...

Ah! E, será que precisa ser mais alguém? Como RITA basta e muito! Está completa, na "medida certa" de ser muito GENTE!
Bjs. Célia.

Rita Lavoyer disse...

Meus queridos, usei esse material em uma escola. A criançada se divertiu muito. Então a diretora aproveitou a ideia para que os alunos fizessem algo parecido com o perfil deles.
O resultado foi ótimo.
As crianças aprenderam a se divertir com os seus defeitos. O que foi melhor, querendo que os colegas vissem o seu trabalho, Dessa forma houve uma superação.

Sou dessa ideia: Riam comigo, mas não riam de mim.

Célia Rangel disse...

Oi, Rita! Nós, educadores, somos o melhor "material pedagógico" em uma escola para nossos educandos! Parabéns pela sua estratégia motivacional! Aprendizagem a partir de uma realidade é a que fixa para a vida!
Bj. Célia.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Esta franqueza toda é mesmo a sua cara, Rita. Mas creio que em alguns momentos você se "caricaturalizou" um tanto quanto... de qualquer forma, um divertidíssimo perfil de Rita Lavoyer. Um beijo e parabéns.