CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


terça-feira, 2 de junho de 2015

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL ?

Esses parlamentares brasileiros empenhados que a PEC 171/93 seja aprovada deveriam, antes, rever seus projetos – se é que existem e se  foram aprovados e são executados em benefícios da criança e do adolescente. Cabe à sociedade e à mídia em geral trazer à vista da população os benefícios que esses políticos  proporcionaram à sociedade, porque retirar adolescentes das ruas e em seguida acusá-los, condenando-os é muito fácil. Difícil é achar os culpados que os levaram para o mundo do crime.
Desta forma, quem julga uma lei como essa e aprova-a, condena com mais rigor a sociedade a quem compete protegê-la, porque depois de aprovada, cruzarão os braços e dirão: “Fizemos a nossa parte”. Como se prender menores fosse solução para corrigir, e se não bastassem tanta corrupção no cenário político, conforme nos apresentam os fatos diariamente. Não se resolve conflitos humanos com paliativo dessa natureza.
Se neste país os parlamentares fossem honrados, mais investimentos haveria para a educação, cultura e lazer, enobrecendo os cidadãos.
Para votar a favor dessa Proposta o parlamentar tem, por obrigação, prestar conta à Nação sobre sua idoneidade, seu caráter, sua competência, sua hombridade e provar que não é nocivo, corrupto ou  assassino anônimo da dignidade de nenhum brasileiro.
Prova, parlamentar,  que já fez alguma coisa em favor da criança e do adolescente antes de votar favorável a essa PEC 171/93.
Prova, parlamentar favorável a diminuição da maioridade penal,  que um projeto seu ( se é que existe  aprovado)  diminuiu o trabalho exaustivo nas Promotorias, Juizados e varas da infância e da juventude, antes de votar favorável a essa proposta, trancafiando em presídios várias possíveis vítimas da sua má fé no exercício da sua politicagem mesquinha e desonesta.  
Prova, parlamentar favorável a diminuição da maioridade penal  e que está acelerando a votação dessa PEC 171/93, que nas cidades onde o elegeram você lutou para promover algum concurso  público para contratação de novos  profissionais na área de educação, esporte, saúde e assistência social!
Prova, parlamentar favorável a diminuição da maioridade penal, antes de votar favorável a essa PEC, que você não se corrompeu em nenhuma ocasião da sua vida, enquanto pessoa pública, para levar vantagem sobre outrem, prejudicando o povo das mais variadas formas.

Não estou com essa minha indignação  tirando a responsabilidade dos menores infratores. Aumente a sua permanência na Fundação Casa. O sistema prisional brasileiro não recupera pessoas.  
Não acredito que  alguns políticos que estão no poder deste país - citados em escândalos os mais indecorosos-,  tenham caráter, competência, dignidade para votarem essa PEC  171/93-  sendo que, muitos desses parlamentares que são favoráveis à redução da maioridade penal, há muito tempo já deveriam estar atrás das grades pagando  por tantos crimes que cometeram contra à nação. 

Nenhum comentário: