CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2015 - Recebeu voto de aplausos pela Câmara Municipal de Araçatuba;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba;

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras;

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de abril de microconto Escambau;

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.

2017 - 24ª classificada no TOP 35, na 2ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 15ª classificada no TOP 35, na 3ª semana de outubro de microconto Escambau;

2017 - 1ª classificada no concurso de Poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2017 - 11ª classificada no TOP 35, na 4ª semana de outubro de microconto Escambau;

terça-feira, 21 de julho de 2015

Falta de coleta pública de remédios frustra condomínio

Editorial Folha da Região de 22/07/2015


Falta de coleta pública de remédios frustra condomínio

SÉRGIO TEIXEIRA +++---EncaminharErroImprimir
 



Terça-Feira - 21/07/2015 - 09h10


               
O síndico Omar Jundi e a professora Rita Lavoyer conseguiram colaboração de pelo 30 famílias

matéria de hoje, 21/07/2015, no Jornal Folha da região
Um condomínio de Araçatuba recolheu cerca de 20 quilos de medicamentos vencidos, após campanha dos moradores para descarte consciente desse material, que não deve ser jogado no lixo comum ou na rede de esgoto. Acontece que os condôminos agora enfrentam um problema: onde enviar, de graça, os remédios em desuso. Esse ponto de coleta ainda não existe no município.

Depois de participar de uma palestra ambiental sobre o assunto, em 2012, a professora Rita Lavoyer, 48, se sensibilizou pela forma como ela e os vizinhos descartavam os seus medicamentos vencidos. Isso porque muitas substâncias que formam os remédios não desaparecem na natureza e, ao contrário, contaminam o solo e a água. "Eu ia refletindo conforme o palestrante ia falando, pois eu fazia um descarte aleatório. Ao saber de todos os problemas que isso causa, me senti culpada", disse Rita.

 Leia também:
Rede oferece coletores de remédios em três cidades 


Ela levou a situação para o prédio onde vive, o residencial Ipanema, na Vila São Paulo. Com o aval do síndico, o edifício disponibilizou uma caixa na portaria para que os condôminos interessados realizassem o descarte do material vencido. Ao menos metade das 60 famílias aderiu à campanha, que resultou no acúmulo total de aproximadamente 20 quilos de remédios.

SEM RETORNO
Acontece que, se por um lado a professora teve o apoio dos vizinhos, o mesmo não aconteceu quando ela foi procurar o poder público. Na Secretaria Municipal de Saúde, de acordo com Rita, não houve uma resposta sobre para onde levar os medicamentos.

  O setor privado tem empresas do ramo de limpeza pública que fazem a coleta desse gênero. No entanto, cobram pelo serviço que, em média, fica em R$ 12 por quilo de medicamento. Rita disse que o residencial até poderia arcar com o valor, mas o problema do descarte persistiria ainda assim, pois o restante da cidade continuaria sem um local público de coleta.

  Segundo o CRF (Conselho Regional de Farmácia) de São Paulo, os medicamentos contêm substâncias químicas que acabam contaminando os recursos hídricos e poluindo o meio ambiente como um todo. O órgão lembra que, mesmo quando a água que teve contato com remédio é tratada, os resíduos químicos não são eliminados.

OUTRO LADO
  O Plano Municipal de Resíduos Sólidos de Araçatuba prevê que, em um cenário desejável, até 2017, a cidade tenha pontos de coleta de medicamentos vencidos para pequenos geradores nas unidades de serviços públicos de saúde humana e animal. Para colocar isso em prática, a lei fala de inserção à logística reversa, reciclagem, tratamento e disposição final.

Em nota, a Prefeitura de Araçatuba informou que ainda não começou o diálogo com a iniciativa privada a fim de colocar em prática as parcerias (logística reversa) para criação desses pontos. O Executivo ainda não estimou quantos espaços do gênero serão necessários para atender o município. Também não há uma previsão de quando o primeiro local será inaugurado.

----------------------------------------------------------------------------------------------

Rede oferece coletores de remédios em três cidades

SÉRGIO TEIXEIRA +++---EncaminharErroImprimir
 



Terça-Feira - 21/07/2015 - 09h2


coletoras na cidade de Birigui-sp

Para quem mora em Birigui, Penápolis ou Andradina, é possível descartar medicamentos vencidos em unidades da rede de farmácias Droga Raia. Conforme o portal da empresa, as três lojas participantes fazem parte de uma lista que conta com mais de 200 pontos no Estado e em outras regiões do País. O serviço é gratuito.

De acordo com a farmacêutica Paula Ribeiro Quinteiro, da Droga Raia de Penápolis, o ponto de coleta tem pouco mais de dois anos e, desde então, consegue recolher, em média, 12 quilos de remédios vencidos ou em desuso por mês. O display conta com três espaços, dependendo o gênero a ser descartado: pomadas e comprimidos, líquidos e sprays e caixas e bulas.

 Leia também:
Falta de coleta pública de remédios frustra condomínio 


  As empresas que oferecem a alternativa na região fazem parte de uma ação em nível nacional, com o patrocínio de 12 instituições do ramo farmacêutico, batizada de programa Descarte Consciente, que teve início no começo dessa década. Tudo que é recolhido é encaminhado para incineração ou aterros habilitados.

  Estima-se que para cada quilo de medicamento descartado no lixo comum ou no vaso sanitário, cerca de 450 mil litros de água sejam contaminados. De acordo com os organizadores do programa Descarte Consciente, até a tarde de ontem, o recolhimento de mais 817 mil unidades de remédios recebidos pelas empresas parceiras evitou a contaminação de 56 bilhões de litros. 

SERVIÇO
Em Penápolis, o ponto de coleta fica na rua Doutor Ramalho Franco, n° 307, Centro. Em Andradina, está na rua Alexandre Salomão, n° 1.334, Centro. Em Birigui, na Praça Doutor Gama, n° 422, Centro. Outras informações nowww.descarteconsciente.com.br.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um comentário:

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Maravilha de país este nosso. Não te deixam fazer a coisa certa! De qualquer maneira, belo exemplo de consciência e cidadania, Rita. Parabéns.