CLASSIFICAÇÕES EM CONCURSOS LITERÁRIOS

PREMIAÇÕES LITERÁRIAS

2007 - 1ª colocada no Concurso de poesia "Osmair Zanardi", promovido pela Academia Araçatubense de Letras;

2010 - Menção Honrosa no Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2012 - 2ª classificada no Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2014 – Menção honrosa Concurso Internacional de Contos Cidade de Araçatuba;

2015 – Menção honrosa no V Concurso Nacional de Contos cidade de Lins;

2015 - PRIMEIRA CLASSIFICADA no 26º Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski, Toledo-PR;

2016 – 2ª classificada no Concurso Nacional de contos Cidade de Araçatuba.

2016 - Classificada no X CLIPP - concurso literário de Presidente Prudente Ruth Campos, categoria poesia.

2016 - 3ª classificada na AFEMIL- Concurso Nacional de crônicas da Academia Feminina Mineira de Letras.

2012 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - Recebeu o troféu Odete Costa na categoria Literatura

2017 - 13ª classifica no TOP 35 na 4ª semana de abril de microconto Escambau.

2017 - Classificada no 7º Concurso de microconto de humor de Piracicaba.


terça-feira, 8 de novembro de 2016

MAL DE ALZHEIMER. VOCÊ SABE QUEM É?

Por Rita Lavoyer


Quantas vezes nos esforçamos para esquecer de fatos  que nos incomodam a alma? Há traumas para os quais o esquecimento é o melhor remédio. Duro mesmo é esquecê-los e o amargo do fracasso por não conseguir fica-nos na boca.



Alzheimer é um assunto delicado, embora eu tenha pouca propriedade para falar sobre, confesso-lhes que pela pouca experiência com um paciente acometido por essa doença,  algo de bom e de ruim sobre  essa enfermidade ficou registrado em mim.

Segundo a Abraz- Associação Brasileira de Alzheimer- estima-se que existam no mundo cerca de 35,6 milhões de pessoas com a Doença de Alzheimer. No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de casos, a maior parte deles ainda sem diagnóstico.

Desconfio que na minha casa já exista alguém com esse trem. Até a pouco tempo ela gritava, agora deu de apitar e soltar fumaça pelas ventas, queimando seus neurônios – o que é pior:  quase esturrica os  neurônios dos demais humaninhos que convivem com ela.  Mas deve-se levar em conta que para a personagem em questão muitas outras hipóteses são permitidas: inclusive a de variação constante de perfil por ter várias histórias  na cabeça e querer escrevê-las, todas, ao mesmo tempo, emaranhando  seus circuitos  internos,  dando-lhes nós, comprometendo sua cognição.   

Fui pesquisar sobre o assunto e detectei que alguns pesquisadores também atribuem a doença às causas genéticas. 

Na minha família tinham alguns que foram “tidos” como loucos.  Mentira que eles eram loucos, eu os conheci, eram inteligentes e só falavam as verdades que necessitavam falar e quem não as suportava mandava a polícia prendê-los.

 Foram internados em hospícios porque não suportavam as mentiras dos irmãos opressores. Mas havia outros: os  tidos como caducos;  não violentavam com suas verdades, apenas variavam em suas ideias. Ora irritavam-se, ora estavam muito alegres, fato anormal para os seus estados de pobreza e sofrimentos. Coitadinhos, terminaram seus dias em estado pejorativo, não lhes coube o luxo de ter o nome do alemão registrado em seus diagnosticados, porque caducaram de maduro.

Uma pessoa, sozinha, não dá conta de cuidar de um paciente com  Alzheimer. Considerando o estágio da doença, o portador desse mal  tornar-se dependente de outros e o custo para mantê-lo não é pequeno. Há a necessidade de cuidadores profissionais - e com força física- para dar suporte ao paciente que, debilitado pela doença, tem a coordenação comprometida. Tomem cuidado com as contratações, peçam informações, investiguem. Quantos velhinhos, doentes, as mídias nos apresentam, em cenas de crueldade,  apanhando de seus cuidadores.  Para esse trauma não há remédios.

 Como a doença é irreversível, o melhor remédio é conviver bem com o paciente, sendo-lhe paciente. Sem querer, por esquecimento, ele tomará atitude que o tirará do sério; não seja ríspido com ele, ria com ele. Arme-se de bom humor e de Deus e o ajude a viver bem enquanto você se lembra do quão importante ele é para você. Ele desaprenderá a sorrir. Reensine-o a gargalhar. Abrace-o. Beije-o.  Depois, qualquer esforço para se esquecer do abandono promovido por você será em vão e o amargo dessa derrota não sairá da sua boca.


Lembre-se: o próximo “alzheimeriano”  poderá ser você.  Enquanto sua memória estiver ativa, mas já  percebe que o esquecimento o visita com frequência e o desenvolvimento de suas atividades está comprometido, lembre-se de procurar um profissional para uma avaliação cuidadosa, enquanto ainda há tempo de remediar,  ou desacelerar a doença. Aliás, ainda sabe quem você é, ou é daqueles que se esforçam para se esquecer de fatos que incomodam a alma ao invés de enfrentá-los, resolvendo-os? Lembre-se...


2 comentários:

Marcelo Sguassabia disse...

Essa moléstia é mesmo bem triste, Rita. E me espanta muito o fato de que, aparentemente, os casos parecem aumentar nos últimos tempos. Abraços e parabéns pelo texto.

Antenor Rosalino disse...

Em mais uma narrativa belíssima, a querida escritora e poetisa nos brinda com essa obra providencial, tendo em vista o significativo aumento desse mal tão doloroso para quem o contrai e, por conseguinte, para os familiares. Meus efusivos parabéns, Rita um terno abraço.